Menu
Busca Qua, 27 de janeiro de 2021
(67) 9.9928-2002
Polícia

Campo Grande: Gilmar Olarte é condenado por superfaturamento em cemitério

10 março 2020 - 09h09Por Plantão de Notícias

Ex-prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte foi condenado por improbidade administrativa em denúncia de superfaturamento de R$ 692 mil num contrato emergencial com a Taira Prestadora de Serviços Ltda para trabalho em três cemitérios públicos: Santo Amaro, Santo Antônio e São Sebastião.

O juiz da 2ª Vara dos Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, David de Oliveira Gomes Filho, determinou a suspensão dos direitos políticos do ex-prefeito por cinco anos (a contar do trânsito em julgado da sentença) e pagamento de multa de R$ 100 mil.

A sentença também determina que multa de mesmo valor seja paga pelo espólio de Milton Akio Taíra (empresário que morreu durante o processo) e pela Taira Prestadora de Serviços Ltda, totalizando R$ 200 mil.

A ação por improbidade administrativa tramita desde 4 de julho de 2017, quando o promotor Marcos Alex Vera de Oliveira denunciou dano ao erário por meio do contrato 244/2015, com valor global de R$ 1.162.800,00, sendo o pagamento mensal de R$ 193.800.

No entanto, o contrato 98/2014, também válido por 180 dias, tinha custo mensal de R$ 78.400,00 para a prefeitura de Campo Grande (total de R$ 470 mil em seis meses).

As defesas alegam que os objetos dos contratos eram diferentes e que a administração municipal não pagou o preço, portanto, sem dano aos cofres públicos. Em julho de 2017, Olarte e a empresa tiveram bens bloqueados. A promotoria pediu ressarcimento de R$ 692.400, mas a Justiça, na decisão datada de 28 de janeiro, só manteve com restrição o total para que cada réu pague multa.

“O prazo dos contratos era o mesmo, os cemitérios abrangidos eram os mesmos e os objetos dos contratos eram os mesmos. Os valores, no entanto, eram diversos, existindo uma diferença entre eles de R$ 115.400,00 por mês. De R$ 78.400,00 ao mês no primeiro contrato, o preço subiu, no segundo contrato, para R$ 193.800,00 ao mês”, afirma o juiz na sentença.

O magistrado destacou o formato “copia e cola” dos contratos. Além do valor, só foi encontrada diferença na contratação de funcionários, que passou de 32 para 40.

“Resta evidente o superfaturamento do contrato 244/2015 ao compará-lo com o anterior e, por consequência, a existência de improbidade administrativa que, somente não importará em dano a ser ressarcido, porque o Município não honrou sua parte e deixou de pagar as prestações que havia combinado”, diz a sentença.

Empresa – A defesa da Taira informou que o contrato 98/2014 previu a prestação dos serviços de administração e de sepultamento, enquanto que o contrato 244/2015 era destinado à prestação dos serviços de administração, sepultamento, manutenção, conservação e limpeza.

Extraoficialmente, a empresa prestavam serviço de exumação, vigilância e de capela. Também foi apontado que a prefeitura não pagou qualquer valor proveniente do contrato 244/2015, que foi rescindido a pedido da empresa.

Ex-prefeito - A defesa de Gilmar Olarte apontou que não existe prova do dolo, que os contratos têm objetos diferentes, que a descrição dos fatos é genérica, se assemelhando a “autêntico jogo de quebra-cabeça”, e que, sem pagamento, não houve dano aos cofres públicos.

Olarte foi afastado do cargo em 25 de agosto de 2015, na operação Coffee Break, que apontou complô entre políticos e empresários para a cassação do então prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP).

racismo

Deixe seu Comentário

Leia Também

Ms
Governador em exercício Paulo Corrêa cumpre agenda em três municípios, onde vistoria e lança obras
Tempo
Quarta-feira típica de verão em Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Presidente da Alems, Paulo Corrêa assume como governador em exercício de MS, nas férias de Reinaldo Azambuja
Campo Grande
Dono de hotel é detido com droga e dinheiro no centro
Campo Grande
Agentes da PRF interceptam carga de 9,5 tonelada de maconha na MS-276
Campo Grande
Onça solta no Pantanal já se alimentou e até atravessou o Rio Paraguai a nado
Covid 19 em MS
MS registra 1.047 novos casos; outros 5,2 aguardam encerramento
Marido matou esposa com 17 tiros após churrasco de família em fazenda de MS
Campo Grande
Quatro presos fogem do presídio de segurança Máxima de madrugada
Três Lagoas
Homem agride companheira e é preso por menina.