Menu
Busca Sex, 03 de abril de 2020
(67) 9.9928-2002
Direito do Consumidor

Energisa é condenada por cobrança indevida e danos

26 março 2020 - 15h00Por Olhar Jurídico

Turma Recursal Única do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) condenou a Energisa, em sede de Recurso Inominado, a indenizar em R$ 8 mil um cliente por ter feito cobrança além da média de consumo e ter inscrito o nome dele no rol dos Órgãos de Proteção ao Crédito.
 
Leia mais:
Energisa é condenada a pagar indenização de R$ 450 mil a esposa e filhas de agricultor morto
 
O Recurso Inominado foi provido por unanimidade pela Turma Recursal Única do TJMT. A ação tinha como base a inscrição de um consumidor no rol dos Órgãos de Proteção ao Crédito por causa de uma fatura com alto valor, havendo ainda a ameaça de suspensão do fornecimento de energia elétrica.
 
O consumidor recebeu uma conta, no ano de 2017, no valor de R$ 951, muito além da sua regular média de consumo, sem qualquer prévia comunicação de inspeção ou vistoria por parte da Concessionária, e diante do alto valor foram realizadas reclamações, com registros de protocolos e mesmo assim seu nome foi negativado.
 
Nos autos a Energisa afirmou que a cobrança foi realizada com base na recuperação de consumo, por ter identificado suposta irregularidade no aferidor.
 
A juíza relatora, Valdeci Moraes Siqueira, ao julgar a ação, descreveu que é dever da Concessionária obedecer ao que está disposto na Resolução da ANEEL, e uma vez que o consumidor fica impedido de participar do processo de aferição de suposta irregularidade, não se pode reconhecer a cobrança realizada, mostrando-se indevida a negativação.
 
O advogado Sylvio Feitosa, que patrocinou a defesa do cliente da Energisa, considerou que o julgamento foi correto, tendo em vista que a Concessionária de energia há muito vem agindo em desconformidade com as regras legais, impondo aos consumidores faturas com valores astronômicos sem seguir os corretos parâmetros, cerceando o direito de defesa do consumidor.

 
Afirma ainda que a Energisa possui responsabilidade objetiva (independente de culpa) e está figurando como campeã de reclamações, traduzindo uma conduta de sequenciais afrontas ao direito do consumidor, agindo sem observar os princípios da boa-fé, cautela e zelo.
 
A decisão declarou inexistente o débito discutido e fixou indenização no valor de R$ 8 mil, com aplicação de juros de mora e índice de correção monetária. Quanto ao valor fixado, Feitosa afirma que atinge o patamar de justeza, vez que o consumidor amargou prejuízos com a negativação de seu nome e com as ameaças de suspensão do fornecimento de energia elétrica, sabendo-se ainda que valores ínfimos não servem como “freio” para as práticas danosas reiteradas das empresas de grande porte.
 
Olhar Jurídico entrou em contato com a Energisa, que afirmou que ainda deve se manifestar sobre o caso.

CORONA 2

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Maia quer votar orçamento paralelo em dois turnos na próxima semana
Campo Grande
Marcos Trad fecha unidade de Saúde e deixa 6 mil sem atendimento.
Campo Grande
Ruas esburacadas e sem iluminação pública, desanima moradores da Capital.
Campo Grande
Sujeira nos bairros de Campo Grande
Brasília
Planalto diz que ajuda a informais durante pandemia será efetivada "nos próximos dias"
Polícia
Bolsominio pode ser preso
Geral
Desafio para cuidadores de idosos
Saúde
Saiba como diagnosticar paciente com Coronavirus
Campo Grande
Moradores da região Centro reclamam da falta de limpeza urbana
Brasil e Mundo
O mundo chegou a 1 milhão de infectados por coronavírus