Menu
Busca Dom, 26 de setembro de 2021
(67) 9.9928-2002
Campo Grande

Juiz mantém bloqueio de bens de Nelsinho e ex-deputada por corrupção na licitação do lixo

16 fevereiro 2021 - 14h00Por NV/web Blog o Jacaré
Segundo publicado pelo blog o Jacaré,

O juiz Ariovaldo Nantes Corrêa, da 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, manteve, nesta quinta-feira (11), o bloqueio de R$ 101,576 milhões do senador Nelsinho Trad (PSD), da ex-deputada Antonieta Amorim (MDB), e outros denunciados pela corrupção e pagamento de propina na licitação do lixo na Capital. Também manteve o sequestro da Fazenda Papagaio, de 8.730 hectares, que teria sido adquirida por meio de propina.

Em despacho disponibilizado ontem, o magistrado afirma que mantém a decisão agravada pelos próprios fundamentos. O bloqueio dos bens foi determinado pela primeira vez no 12 de junho de 2019 pelo juiz José Henrique Neiva de Carvalho e Silva. 

Os acusados recorreram ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, mas um escândalo adiou o julgamento do recurso no início do ano passado. Um documento apócrifo, apreendido no quarto de Jamil Name, durante a Operação Omertà, apontou suposta compra de sentença pelo ex-prefeito da Capital. Ele teria pago R$ 2 milhões ao desembargador Marcelo Câmara Rasslan.

Como este era o único processo em que atuava como relator, Rasslan se declarou suspeito e o julgamento foi adiado. O substituto é o desembargador Geraldo de Almeida Santiago, que chegou a pautar os cinco recursos para o início de agosto do ano passado. No entanto, ele retirou os processos da pauta e os bens seguem aguardando a análise da 1ª Câmara Cível.

Além de Nelsinho e Antonieta, o Ministério Público Estadual denunciou os empresários João Amorim, Antônio Fernando de Araújo Garcia (Financial), os irmãos Lucas e Luciano Potrick Dolzan (LD Construções) e os ex-secretários municipais de Infraestrutura, João Antônio De Marco, e de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano, Marcos Cristaldo.

Com base em investigação da Polícia Federal, eles são acusados de direcionar a licitação do lixo para ser vencida pela Solurb, que ganhou o contrato bilionário, e teriam recebido R$ 50,788 milhões em propinas. Além disso, Nelsinho teria comprado a Fazenda Papagaio, avaliada em R$ 30 milhões, por meio de propina paga pela Solurb.

O senador da República nega a irregularidade e tenta suspender o bloqueio. A defesa pontuou ainda que o crime prescreveu e o juiz deveria rejeitar a ação  por improbidade administrativa. A LD Construções também aposta na prescrição, mas ressalta que há três denúncias a respeito do mesmo assunto.

Os advogados da empresa ainda destacam que a ação popular, protocolada por Thiago Verrone, foi rejeitada pela Justiça estadual. Atualmente, esta ação está para ter o mérito analisado pelo Superior Tribunal de Justiça.

A segunda ação tem os mesmos réus, mas o MPE pede a anulação da licitação e o contrato entre a prefeitura e a Solurb. Neste caso, o município poderá realizar nova licitação em seis meses.

Já a ação do bloqueio de R$ 101 milhões prevê a devolução do dinheiro, perda dos valores acrescidos ao patrimônio, pagamento de multa civil e suspensão dos direitos políticos por 10 anos.

Blog O Jacaré

Por Edivaldo Bittencourt

Deixe seu Comentário

Leia Também

Campo Grande
Croquete de mandioca com carne: petisco saboroso e prático
Politicos
Vai vendo Brasil!
Religiosos
Padre é preso por desviar dinheiro da igreja para orgias gays e drogas
Brasil e Mundo
Covid-19: Brasil registra 19,4 mil casos e 699 mortes em 24h
Justiça
STF decide se os estados devem pagar hospitais pela tabela SUS
Geral
Anatel aprova leilão da exploração do acesso móvel na tecnologia 5G
Inclusão
Índice reúne dados sobre a inclusão de brasileiros com deficiência
Campo Grande
Preso em ação contra corrupção em MS era o 'braço direito' do ex-prefeito e 'quem assinava os cheques', diz polícia
Operação Policial
Polícia Federal faz operação para combater fraude no INSS do Amazonas
Campo Grande
Ameaça de delação de Gilmar Olarte causa 'espanto', afirma procurador-chefe do MP