Menu
Busca Dom, 17 de novembro de 2019
(67) 9.9928-2002
Justiça

Justiça determina que governo contenha avanço de óleo em Sergipe

A União e o Ibama terão que pagar R$ 100 mil para cada dia de descumprimento da medida. A decisão do juiz Fábio Cordeiro de Lima atendeu a um pedido do Ministério Público Federal

14 outubro 2019 - 09h30Por Notícias ao Minuto

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Justiça Federal em Sergipe determinou que o governo, junto com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), implante barreiras de proteção nos rios São Francisco, Japaratuba, Sergipe, Vaza-Barris e Real, no litoral sergipano. A medida deve ser tomada em até 48 horas, para evitar uma contaminação maior do óleo, de origem desconhecida, que tem se espalhado pelo litoral do Nordeste brasileiro. As informações são da Agência Brasil.

 

A União e o Ibama terão que pagar R$ 100 mil para cada dia de descumprimento da medida. A decisão do juiz Fábio Cordeiro de Lima atendeu a um pedido do Ministério Público Federal (MPF) no estado. Para o MPF, a o governo não tem tomado todas as medidas que poderia para proteger as áreas sensíveis.

"Desde o primeiro instante os Planos Estratégicos de Proteção de Áreas Vulneráveis (existentes e aprovados pelo órgão ambiental competente) poderiam ter sido acionados em Sergipe, de modo a serem implementadas todas as medidas necessárias de contenção e recolhimento do material poluente", diz um trecho da ação do MPF.

Procurada, a Advocacia-Geral da União (AGU) afirmou que ainda não foi notificada e que, assim que isso ocorrer, analisará as medidas a serem adotadas.

Em sua decisão, o juiz afirma que não é possível colocar barreiras de contenção de óleo em toda a costa do Sergipe e que uma decisão judicial deve ser tomada considerando sua possibilidade de realização, para que não se torne uma medida inócua.

"A colocação de boias em pontos críticos constitui medida que, se não elimina completamente o risco, atenua os danos, constituindo uma medida necessária e urgente no presente caso", diz a decisão. O magistrado também chama a atenção para a necessidade de proteger a cabeceira de rios. "É, de fato, fundamental proteger a cabeceira dos rios para que não haja uma maior contaminação das águas, principalmente dos rios utilizados para o consumo da população."

As manchas de óleo têm poluído o litoral do Nordeste brasileiro desde o início de setembro. Até o início desta semana, a Petrobras havia recolhido 133 tonaleadas de resíduos contaminados por manchas de óleo. Segundo informações, Brasil/Notícias ao Minuto.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Capital
Jovem morre afogado em lago, na capital
Rumo ao título
Flamengo ganha do Grêmio e segue firme
Campo Grande
Jovem mergulha e não volta em lagoa na Chácara das Mansões
Moto velocidade
Granado garante a vitória na MotoE em Valência
México
Evo Morales teme guerra civil na Bolívia
Polícia
Família é presa em flagrante transportando cocaína
Brasileirão sub-20
Briga no sub-20, decepcionou torcedores
BR-060
Acidente fatal envolvendo motociclista
Esporte
Se vencer o Grêmio, Fla igualará recorde do Corinthians no Brasileirão
Esporte
Portugal classificado na Eurocopa 2020