Menu
Busca Seg, 21 de setembro de 2020
(67) 9.9928-2002
Campo Grande

Supremo aponta parcialidade e anula sentença de Moro no caso do Banestado

26 agosto 2020 - 07h00Por EM
A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta terça-feira (25/8) anular a condenação do doleiro Paulo Roberto Krug, no caso do suposto esquema de fraude no antigo Banco do Estado do Paraná (Banestado), após apontar parcialidade do ex-juiz federal Sergio Moro. O julgamento foi de um recurso ordinário apresentado pela defesa questionando a atuação do ex-juiz.
 
Krug foi acusado pelo doleiro Alberto Youssef em colaboração premiada. A sua defesa alegava que Moro havia sido imparcial, pois tomou o depoimento de colaboradores no momento da celebração de acordo de colaboração premiada e, dessa forma, participou da própria produção da prova na fase investigativa. Além disso, segundo a defesa, ele teria determinado a juntada aos autos de documentos utilizados para fundamentar a condenação após a apresentação das alegações finais.
 
No julgamento, o ministro Gilmar Mendes, presidente da 2ª Turma, e o ministro Ricardo Lewandowski votaram a favor do doleiro. Já os ministros Edson Fachin e Cármen Lúcia votaram pela manutenção da sentença. Como o ministro Celso de Mello está de licença médica, o empate favorece o réu.
 
Em seu voto, Lewandowski afirmou que “muito mais grave do que a corrupção é a ofensa aos direitos fundamentais do cidadão, que levam ao autoritarismo e ao totalitarismo”. “Precisamos assinalar o limite das atuações dos juízes e membros do Ministério Público”, disse. De acordo com ele, o “aspecto primordial das colaborações premiadas é que o magistrado que homologa o acordo não deve participar das negociações realizadas entre as partes”.

 

“Como se nota, o ordenamento jurídico vigente e os diplomas normativos jamais autorizaram que o magistrado presenciasse ou participasse das negociações para formulação do acordo de colaboração premiada, adentrando e colaborando na elaboração do seu conteúdo. Coisas muito estranhas aconteceram em Curitiba, naquela vara federal”, afirmou.
 
Em nota, Moro disse que sempre agiu com “imparcialidade, equilíbrio, discrição e ética” em toda a sua trajetória como juiz federal. “No caso específico, apenas utilizei o poder de instrução probatória complementar previsto nos artigos 156, II, e 404 do Código de processo penal, mandando juntar aos autos documentos necessários ao julgamento da causa. Foi uma atuação regular, reconhecida e confirmada pelo TRF4 e pelo Superior Tribunal de Justiça e agora recebeu um julgamento dividido no STF que favoreceu o condenado”, justificou.
CORONA

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasíl
Estudo da FGV aponta que pandemia provocou queda de renda de 20,1%
Nova Andradina
PRF apreende mais de 300 quilos de maconha dentro de veículo Renault, tipo scénic e prende traficantes no interior do MS
Nova Alvorada do Sul
PRF prende traficantes com drogas em interior de veículo, no total apreendido foram 306 quilos de maconha e um casal dentro de carro.
Brasíl
Fazendeiro criminoso é multado duas vezes por fazer queimadas e derrubadas sem autorização
Ms
Taxa de mortalidade da Covid 19 continua no estado
Dourados
Vizinhos chamam a polícia e três pessoas são presas em flagrante com drogas e munições
Brasil e Mundo
Paulo Borrachinha e Adesanya se encontram no hotel em Abu Dhabi em clima descontraído e aos risos
Brasil
Congresso fará aperfeiçoamento da reforma administrativa, diz ministro
Campo Grande
Ministro do STF, Marco Aurélio, submeteu-se à cirurgia no joelho e já está em casa.
Campo Grande
Covid 19 mata Professor de Educação física e pré-candidato a vereador do Solidariedade