Menu
Busca Ter, 14 de julho de 2020
(67) 9.9928-2002
POLÍTICA

Crise de labirintite no governo, alguns não sabem para aonde vão

27 abril 2019 - 13h30

Para aonde vai o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras)? Se for para a Economia significa que haverá controle, apenas; se for para a Justiça significa que sempre houve um descontrole. E houve. Afinal, o Coaf controla o que? Bilhões foram desviados – Mensalão, Petrobras, Partidos – e nunca, nada foi rastreado.

Máxima da investigação: Acompanhe o dinheiro e vai descobrir i crime e o criminoso. Mesmo assim, embaixo das narinas dos bem remunerados assessores de coisa nenhuma, bilhões não foram descobertos. O Coaf era parte do Ministério da Economia.

Ah, mas vai furtar uma margarina do supermercado. Cadeia. Vai dar um pequeno calote na herança. Calote e Cadeia. Vai não ser amigo dos magistrados. Cadeia, exposição pública. Enquanto e no entanto, aos amigos do Rei, tudo é possível.

Advogados bem remunerados, estultos e estúpidos, com certeza serão aqueles que, no futuro julgarão a tudo e todos, dos potes de margarina aos bilhões desviados de empresas públicas, sob a égide de “notório saber jurídico” elevados a ministros de tantos e tantos tribunais que a gente sequer lembra.

O assustado presidente tomou um poder tão grande que não está digerindo a ressaca. Tem vice-presidente forte, alguns ministros também, mas…

Talvez precise aprender que o discurso para a eleição se dá por meio do discurso, mas o exercício da presidência se faz por meio do intelecto. Afinal vai comandar, ou obedecer? Vai afinar?

Cadê o Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, filho do presidente, que se fez conhecido após o Coaf – já sob administração Moro – apontar transferências irregulares de dinheiro?

Os ataques do menininho Carlos Bolsonaro contra o vice-presidente Mourão serão apenas uma cortina de fumaça? Se a principal função do Coaf é investigar lavagem de dinheiro, corrupção e financiamento de terrorismo, alertando e permitindo prosseguimento de investigações por meio de relatórios e, se entendermos que tudo é isso é crime, cabe ao Ministério da Justiça e Segurança Pública o controle sobre o Conselho.

Existe um vazio no Planalto, é clara a indecisão nas decisões tomadas por Jair Bolsonaro e, lamentavelmente, caminhamos para o descaminho. Toda uma ideia de ressurgimento das instituições ruiu por terra.

A negociação é necessária – não honesta ou ética –, o preço a pagar desde o “quinto dos infernos” da Corte Portuguesa. Talvez tenhamos nos livrado dos “santos do pau oco” que surrupiavam diamantes e ouro, mas não nos livramos de nossa estirpe enviesada de vantagem acima de tudo, e de todos nós.

 

 

Jornalista Dirceu Martins

RACISMO NÃO!

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasíl
Justiça determina quebra de sigilo bancário da Backer
Política
Governo vai enviar PL com penas mais rígidas para violência sexual
Saúde
Covid-19: Brasil chega a 72,8 mil óbitos e 1,88 milhão de casos
Brasília
Defesa aciona PGR contra Gilmar Mendes por ministro ter associado Exército a genocídio
Saúde
Crise do coronavírus pode ficar "pior e pior e pior", alerta OMS Reuters Staff
Brasíl e Mundo
Estudante de veterinária levou uma picada da terrível naja tinha outras cobras exóticas
Brasíl
Mulher de Queiroz se entrega e cumprirá prisão domiciliar com marido no Rio
Educação
Bolsonaro nomeia pastor Milton Ribeiro como ministro da Educação
Esporte
Natália Gaudio defende maior longevidade para atletas brasileiras
Bolsonaro e Coronavirus
Reabertura precoce transforma Brasília em epicentro da Covid-19