Menu
Busca Qua, 16 de outubro de 2019
(67) 9.9928-2002
INVESTIGAÇÃO

Caso Marielle: traficante que matou rivais usou munição do mesmo lote

23 março 2018 - 10h10Por Redação Notícias VIP
O traficante Gonçalo Cleyton Passos Gomes, conhecido como Cleytinho, de São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio, responde pela morte de dois rivais, em julho de 2016. Para executá-los, foi usada a munição calibre 9mm, do lote UZZ-18, o mesmo utilizado para matar a vereadora Marielle Franco (PSOL) e o motorista Anderson Gomes, no último dia 14.

Segundo denúncia do Ministério Público, o crime teria sido cometido quando Cleytinho estava com outros comparsas, sendo um deles um adolescente, encontrou os rivais. Em seguida, foi iniciada uma troca de tiros e dois suspeitos morreram. Um dos assassinados, relatou o Extra, compôs letras de funk que desagradaram Cleyton. Ele vai a júri popular por homicídio qualificado e também por corrupção de menores.

Questionada sobre o lote UZZ-18, o mesmo do crime que matou Marielle e Anderson, a Polícia Civil afirmou que foi vendido à Polícia Federal de Brasília pela empresa Companhia Brasileira de Cartuchos (CBC), no dia 29 de dezembro de 2006. Ainda de acordo com a reportagem, o lote foi distribuído para unidades da PF em todo o país.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
Vacina contra o câncer de mama e de ovário deve ficar pronta em oito anos
Nordeste e suas praias
Barreiras instaladas para conter óleo são levadas pelo mar em SE
Ceará
Fortalezenses dão lição de solidariedade em resgate de vítimas de prédio que desabou
Internacional
Hong Kong: protestos obrigam presidente a discursar a portas fechadas
Campo Grande
Marcos Trad deixa escola rodeada de lixo
Coreia do Norte
Kim Jong-un passeia a cavalo em local sagrado e gera boatos sobre mudanças políticas
Politicagem
"Não tem lado A ou lado B", diz Bolsonaro sobre situação do PSL
Brasil e mundo
Vídeo mostra assaltante beijando idosa durante roubo no Piauí: ‘não quero seu dinheiro’
Após vacilo, turma se consolida como implacável e mantém chefes de milícia atrás das grades
STF
Lula, Zé Dirceu, Eduardo Cunha soltos… O que está em jogo no julgamento do STF