Menu
Busca Ter, 28 de setembro de 2021
(67) 9.9928-2002
Fronteira

"Gringo Gonzales", considerado um dos mais temidos do mundo do crime, foi preso em PJC.

A polícia paraguaia transferiu o preso para Assunção onde ficará em presidio de segurança máxima.

24 janeiro 2021 - 20h00Por AB - EBC

Sob forte esquema de segurança com veículos blindados e até tanques de guerra, o traficante Clemencio Gonzales Gimenez,  " o Gringo González", de Pedro Juan Caballero, cidade vizinha a Ponta Porã, distante 323 quilômetros de Campo Grande, preso na última sexta-feira (22), foi transportado para a sede do Grupo Especializado em Assunção, neste sábado (23). 

 

Desde a prisão do traficante, toda a região onde fica a sede do Departamento de Investigações em Pedro Juan estava cercada e fortemente vigiada. Até metralhadoras .50 foram posicionadas para repelir qualquer tentativa de resgate como aconteceu recentemente com o brasileiro Giovane da Silva Barbosa, o Bonitão, quando mais de 30 homens armados tentaram invadir o local. O plano não deu certo e Bonitão foi extraditado para o Brasil. Ele é acusado de ser um dos líderes do PCC (Primeiro Comando da Capital) na fronteira.  

Neste sábado, um comboio com dezenas de carros e centenas de homens deixou o Departamento rumo ao aeroporto de Pedro Juan Caballero e a movimentação dos policiais acabou chamando a atenção da população e interrompendo o tráfego em todo o trajeto.  Gringo foi colocado em um veículo blindado o Tigre 5 e transportado até a pista de pouso onde embarcou na aeronave rumo ao  Aeroporto Silvio Pettirossi em Luque, na grande Assunção. 

De acordo com o comissário Gilberto Fleitas da Polícia Nacional, a prisão de Gringo foi um duro golpe no crime organizado na fronteira e que mesmo ele tendo ficado foragido por mais de seis anos, ele nunca deixou de ser procurado e que o trabalho de inteligência e o plano de captura funcionou perfeitamente. 

Acusado de diversos crimes de homicídios contra policiais, desafetos e concorrentes, um dos mais cruéis atribuídos a ele foi o rapto e a execução de Amado Felício Martinez em 2004. Amado teria se envolvido em um acidente de trânsito onde o irmão do traficante morreu. Como vingança ele ordenou o rapto e a execução dele. (Com informações do site Ponta Porã News e Campo Grande News)

Deixe seu Comentário

Leia Também

Congresso garante federações partidárias e suspensão de prova de vida
Brasília
Deputados derrubam vetos à lei que suspende os despejos na pandemia
Covid 19
Covid-19: Brasil registra 210 óbitos e 14,4 mil infecções em 24h
MS
Política de incentivos fiscais do governo ajuda a gerar empregos e atrair novos investimentos em 2021
Campo Grande
Bairros da capital em meio ao mato e lixo, denunciam moradores.
E.U.A
Biden dá exemplo para o mundo, tomando vacina
Políticos
"Bolsonaro está perto de filiar-se ao PP", afirmou o presidente da sigla Ciro Nogueira.
Indígena
STF minimiza choradeira evangélica por veto a missões em terras indígenas
Campanha foca em conversa com família para aumentar doação de órgãos
Esporte
Festa do Corinthians no pódio após a conquista do Brasileiro Feminino