Menu
Busca Dom, 28 de fevereiro de 2021
(67) 9.9928-2002
Polícia

Incra quer saída imediata de moradores em loteamento ilegal

11 abril 2018 - 18h50Por Redação Notícias VIP
A equipe do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) notificou, nesta quarta-feira (11), os ocupantes dos lotes vendidos dentro do terreno destinado à reforma agrária no distrito de Pana, em Nova Alvorada do Sul, cidade distante 160 quilômetros da Capital. Conforme a superintendência da Capital, as pessoas devem sair imediatamente da área ocupada. A iniciativa faz parte da ação de retomada da terra pelo Incra.

De acordo com a assessoria da superintendência, os moradores de 140 lotes foram notificados, uma vez que já havia a constatação de que essas unidades estavam em terreno destinado à reforma agrária, no ano de 2013, conforme denúncia apresentada pelo MPF (Ministério Público Federal).

Devido a defasagem do número de terrenos, a superintendência informou que está atualizando quantos lotes estão dentro da área de 33 hectares e que irá notificar todos os moradores assim que houver a constatação de irregularidades. O órgão tinha a estimativa de encontrar pouco mais de 200 lotes na região.

Desde a manhã desta quarta-feira uma equipe de quatro servidores está na região para fazer os levantamentos.

A reportagem não conseguiu contato com o prefeito de Nova Alvorada do Sul, Arlei Silva Barbosa.

O caso

A área é um terreno de reforma agrária que foi loteado e ?transformado? em terreno urbano. O caso veio à tona quando uma pessoa fez denúncia, informando que teria comprado um lote de 15x30 metros por R$ 10 mil do subprefeito de Pana, Jorge Guimarães. Ela só percebeu que caiu em um golpe quando foi solicitar o ligamento de energia elétrica e teve o pedido negado pela concessionária, por não ter os documentos de posse das terras.

Procurado pela reportagem, o subprefeito ? que acabou exonerado do cargo- disse que as denúncias são falsas e que só teve o nome implicado nas acusações por não ter contribuído para a resolução do problema de ligação de energia.

Segundo Incra, todas as pessoas que compraram casas ou terrenos serão notificadas e deverão apresentar informações de como foi feita a venda e valores envolvidos. O objetivo é a apuração criminal do fato. O órgão federal pretende investigar se o primeiro dono - que era cadastrado no Incra - vendeu, cedeu ou participou das negociações.


Ainda de acordo com o Incra, após o levantamento, serão dados encaminhamentos para que a área seja desapropriada e volte ao órgão e cumpra a função de reforma agrária.?

Em entrevista na segunda-feira (9), o superintendente regional do Incra, Humberto Cesar Mota Maciel, afirmou que será feito o pedido de reintegração de posse da área. O terreno já foi alvo de denúncias em 2013 por vendas de lotes e que nesta época, foi constatada a ocupação irregular do local e solicitada a retirada as pessoas.

Questionado sobre a demora nas apurações de irregularidades em assentamentos e invasão de áreas destinadas para reforma agrária, o procurador federal esclareceu que o Incra é o responsável por atuar em todos os assentamentos 204 do Estado, o equivalente a 29 mil lotes.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde pública
Sejusp e Hospital do Amor firmam parceria em benefício de servidores
MS
Polícia Ambiental disponibiliza Cartilha do Pescador 2021 com todas regras de pesca
Turismo
Projeto de concessão de parques estaduais vai alavancar o turismo do Estado, avaliam prefeitos
Geral
Como descobrir se seus dados pessoais estão sendo utilizados por terceiros?
Juventude
Conselho Estadual da Juventude abre processo seletivo para representantes da sociedade civil
Tempo e temperatura
Fevereiro termina com pancadas de chuva e máxima de 36°C em Mato Grosso do Sul
Corumbá
Militares desrespeitam ordem e fazem festa no centro da capital do Pantanal
Campo Grande
Autódromo de Campo Grande tem evento com aglomeracão de pessoas
Pandemia de Covid 19
Brasil tem recorde de mortes por covid-19 pelo terceiro dia seguido
Covid 19 em MS
Capacidade de leitos hospitalares segue em situação crítica e número de casos continua aumentando