Menu
Busca Qui, 05 de agosto de 2021
(67) 9.9928-2002
Ministério Público Federal

MPF abre inquérito para apurar contratos do Ministério da Saúde para compra de respiradores

10 junho 2020 - 12h00Por Agência Brasil-EBC

 O Ministério Público Federal (MPF) de Brasília abriu um inquérito para apurar suposta irregularidade na execução de contratos emergenciais firmados pela União, por intermédio do Ministério da Saúde, para fornecimento de respiradores no contexto da pandemia da Covid-19, segundo portaria divulgada nesta quarta-feira pelo MPF.

A portaria cita notícia publicada na mídia de que o ministério cancelou contratos firmados com empresas do exterior para a compra de respiradores destinados ao tratamento de pacientes da Covid-19, após ter sido identificado suposto sobrepreço.

“A investigação foi instaurada após representação feita de ofício pelo MPF. No último dia 2, Carlos Wizard, falando na condição de futuro secretário do Ministério da Saúde, afirmou em entrevista que os contratos emergenciais firmados pela União para a compra de respiradores estavam com valores acima do razoável. As compras teriam sido canceladas já que, segundo Wizard, a indústria brasileira teria condições de satisfazer a demanda nacional de fornecimento dos equipamentos para todo o país”, disse o MPF em nota sobre a abertura do inquérito.

Wizard, que atuava como conselheiro do ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, e que seria nomeado secretário de Ciência e Tecnologia até desistir do cargo no fim de semana, fez a declaração citada pelo MPF em entrevista à CNN Brasil.

“Fizemos prospecção no mercado nacional e internacional e estipulamos que não pagaríamos mais de 10 mil dólares por aparelho. Os aparelhos que estavam vindo da China, do Canadá, da Índia, da Alemanha, estavam 20 mil dólares, 30 mil dólares. Sugeri puxar o freio de mão e nós fortalecermos a indústria nacional”, disse Wizard na entrevista.

Procurado, o Ministério da Saúde informou que o contrato de compra de respiradores no exterior foi cancelado, porque o fornecedor não entregou os respiradores negociados dentro do prazo e informou que não tinha condições de fazer a entrega mesmo com uma prorrogação do período.

O inquérito civil foi instaurado na segunda-feira e divulgado pelo MPF nesta quarta. Esse tipo de inquérito pode levar, por exemplo, a uma ação de improbidade administrativa contra gestores.

As compras de respiradores para o enfrentamento à pandemia têm sido alvo de investigações em diversos Estados.

Nesta quarta-feira, a Polícia Federal deflagrou operação para investigar suspeitas de irregularidades na compra de respiradores pelo governo do Estado do Pará, tendo como alvo o governador Helder Barbalho (MDB). Os governadores do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), e do Amazonas, Wilson Lima (PSC), também estão sendo investigados por suspeitas de irregularidades em contratações emergenciais realizadas durante a pandemia do novo coronavírus.

Por Reuters

news

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mato Grosso do Sul
Inscrições prorrogadas para a segunda edição do Prêmio Inova
Oportunidade
Estão abertas as inscrições para curso de idiomas na UEMS
Brasília
PP não vai aceitar filiação de Bolsonaro
Dourados
Agesul retira mais de 800 toneladas de lixo das margens da MS-156 em Dourados
Interior
SubsRacial leva Campanha Julho das Pretas a Rochedo, com temas de saúde e educação
Mato Grosso do Sul
Temperaturas voltam a subir e ar seco segue predominando nesta quarta-feira
Mato Grosso do Sul
Governo investe R$ 5,8 milhões na pavimentação da MS-455, criando novo acesso a Capão Seco
Interior
Corpo de Bombeiros monitora incêndios com imagens de satélite e amplia fiscalização em áreas de focos
Campo Grande
Até quando a massa de ar frio polar vai atuar em Mato Grosso do Sul?
Esportes
Hoje é Dia: nota 10 de Comaneci e Dia do Futebol marcam semana