Menu
Busca Seg, 14 de outubro de 2019
(67) 9.9928-2002
Policia

Mulher de corretor de imóveis morto por PM implorou pela vida do marido: 'Não faz isso, ele tem filha pequena'

De acordo com a polícia, o homem de 48 anos também tinha mandado de prisão em aberto por "vias de fato". Caso foi registrado em Dourados.

10 outubro 2019 - 16h30Por PORTAL G1

A mulher do corretor de imóveis, Fernando Enrique Freitas, de 31 anos, implorou pela vida do marido assassinado a tiros pelo policial militar ambiental, Lúcio Roberto Queiroz Silva, em Paranaíba (MS). A informação é da delegada responsável pelas investigações, Eva Maira Cogo. A sogra de Fernando também tentou evitar o crime.

"O policial chegou na casa do Fernando já com a arma em punho. Na frente da residência estavam a mulher dele e a sogra. Quando viram a pistola na mão do Fernando interviram, a esposa tentou fazer com que ele mudasse de ideia no corredor. A sogra foi até mais adiante tentando evitar o pior e ambas informaram em depoimento que disseram ao PM: 'por favor não faz isso, ele [Fernando] tem uma filha pequena', explicou a delegada".

Os apelos não surtiram efeito e o PM matou Fernando com pelo menos três tiros dentro da casa. A vítima nem teve tempo para explicar, segundo a polícia.

Em depoimento, a mulher do corretor de imóveis confirmou que foi ela quem mandou prints de conversas do marido com a esposa do PM, Regianni Araujo, de 32, também assassinada a tiros pelo policial no dia 5 de outubro.

"As mensagens foram mandadas por ela, mas ela disse que não tinha ideia que resultaria nessa tragédia e se mostrou arrependida. Ela ainda falou que teve acesso as mensagens abrindo o celular do marido. Ao ver as conversas ela já mandou os prints direto para o policial dizendo que o casamento dela tinha acabado", completou.

As investigações ainda apontam que a sucessão dos fatos ocorreu de forma muito rápida. Por volta das 20 horas do dia do crime a esposa viu as mensagens no celular de Fernando, na sequência, enviou os prints ao policial, que deixou a casa da família e foi ao encontro da vítima para tirar satisfação. O corretor de imóveis só teria ficando sabendo do ocorrido com o PM já o ingando com a arma apontada: '"está falando com a minha esposa".

Após matar a mulher e o suposto amante, o PM fugiu e se apresentou três dias depois. Lúcio Roberto Queiroz Silva, está detido no Presídio Militar de Campo Grande, onde cumpre prisão temporária de 30 dias.

 

Entenda o caso

O policial militar ambiental Lúcio Roberto Queiroz Silva, assassinou a mulher Regianni Araujo e o corretor de imóveis Fernando Enrique Freitas, em Paranaíba, a 407 km de Campo Grande.

De acordo com a Polícia Civil, ele cometeu o duplo homicídio após descobrir um suposto relacionamento entre os dois.

"As informações que temos é que o Lúcio teria recebido prints de conversas que mostrariam esse relacionamento entre o Fernando e a Regianni. Diante delas, ele foi armado até a casa do corretor de imóveis, passou por um grupo de pessoas que estava na calçada, entrou na residência e assassinou Fernando a tiros", informou a delegada.

Ainda segundo a polícia, após assassinar o homem, Lúcio pegou o carro, foi até a casa da família e matou a mulher também a tiros em frente ao próprio pai.

"Como a cidade é pequena os crimes foram cometidos com uma distância de tempo muito pequena, por volta das 20 horas deste sábado ele matou o Fernando e minutos depois a mulher", explicou.

 
 Lúcio Roberto Queiroz Silva está sendo procurado pela polícia  — Foto: Facebook / Reprodução

Lúcio Roberto Queiroz Silva está sendo procurado pela polícia — Foto: Facebook / Reprodução

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Ciro Gomes sobre Luciano Huck: “Chega de mandar estagiário para a Presidência”
Capital
Homem é morto na frente de casa com seis tiros em bairro de Campo Grande
Internacional
Tufão Hagibis causa dezenas de mortes no Japão
Jogo de ontem
Zagueiro Marquinhos reconhece atuação ruim da seleção em Cingapura
Interior
Ao sair de festa, jovem é abordado por 10 rapazes e esfaqueado em Aquidauana
Polêmica nas redes sociais
Eduardo Bolsonaro ironiza sigla LGBT em camiseta
Caixa das laranjas
Notas fiscais reforçam a suspeita de caixa 2 na campanha do PSL de 2018
Campo Grande - sem efetividade
Trad não consegue evitar aumento de acidentes
Justiça
Justiça determina que governo contenha avanço de óleo em Sergipe
Interior
Três moradores em Guia Lopes são mortos e um é ferido na boca em possível tentativa de latrocínio em Corumbá