Menu
Busca Dom, 17 de janeiro de 2021
(67) 9.9928-2002
Corrupção no judiciário

Operação Faroeste: PF investiga suposta venda de sentença judicial

17 abril 2020 - 14h08Por Correio Brasiliense
 

A Polícia Federal, já havia na terça (24/3), a quinta fase da Operação Faroeste - investigação sobre esquema de venda de decisões por juízes e desembargadores do Tribunal de Justiça da Bahia. Uma desembargadora da Corte e dois advogados são alvos de mandados de prisão temporária.

 

A Polícia Federal indicou ainda que um do advogados é filho e operador financeiro da magistrada investigada. A nova etapa da Faroeste foi aberta por ordem do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e faz ainda oito buscas em endereços das cidades de Salvador e Mata de São João, na Bahia, e Rondonópolis, em Mato Grosso.

 

Segundo a PF, a operação investiga crimes de corrupção ativa e passiva, lavagem de ativos, evasão de divisas, organização criminosa e tráfico influência.

 

A Faroeste foi inicialmente desencadeada no dia 19 de novembro para investigar um esquema de venda de decisões judiciais que tinha o propósito legitimar a venda de terras na região oeste da Bahia.

 
A grilagem teria sido praticada em 800 mil hectares de terras no oeste do Estado.

Na ocasião, foram afastados os desembargadores Gesivaldo Nascimento Britto, presidente da Corte, José Olegário Monção Caldas, Maria da Graça Osório Pimentel Leal, Maria do Socorro Barreto Santiago, e os juízes Marivalda Almeida Moutinho e Sérgio Humberto de Quadros Sampaio.

 

As fases seguintes da Operação, prenderam o juiz Sérgio Humberto de Quadros Sampaio, da 5ª Vara de Substituições da Comarca de Salvador e a desembargadora Maria do Socorro Barreto Santiago.

 

Durante buscas na primeira etapa da investigação, agentes da Polícia Federal encontraram no quarto da magistrada R$ 100 mil em reais, euros e dólares em espécie, além de obras de arte, joias, brincos, colar de ouro e três Rolex.

 

Em dezembro, a Procuradoria-Geral da República denunciou, no Superior Tribunal de Justiça, os quatro desembargadores e outras 11 pessoas no âmbito da investigação, dentre elas três juízes. O Ministério Público Federal acusa os 15 de organização criminosa e lavagem de R$ 517 milhões.

 

Seis magistrados denunciados tiveram seus afastamentos prorrogados por mais um ano pela Corte Especial do STJ no dia 5 de fevereiro - os desembargadores Gesivaldo Nascimento Britto, José Olegário Monção Caldas, Maria da Graça Osório Pimentel Leal e Maria do Socorro Barreto Santiago, além dos juízes Sérgio Humberto de Quadros Sampaio e Marivalda Almeida Moutinho.

 

A quarta fase da operação mirou ainda um advogado e um joalheiro por suposto envolvimento na lavagem de dinheiro do esquema de venda de decisões judiciais

Fonte: Correio Brasiliense

violência contra a mulher 2

Deixe seu Comentário

Leia Também

Campo Grande
Trad faz do transporte coletivo um sacrifício para usuarios
Enem
Provas do Exame Nacional do Ensino Médio começam neste domingo
Esporte
Grêmio arranca empate com Palmeiras na abertura da 30ª rodada
EUA
Nos últimos dias de Trump: assessores lutam para conter um presidente isolado e furioso
Cuidado
Janeiro Branco e os cuidados com saúde emocional em meio a uma pandemia
MS
CNH vencida em janeiro do ano passado, precisa ser renovada até este mês
Tempo
MS tem sábado de céu encoberto com temperatura máxima de 30°C
Oportunidade
Edição extra do Diário Oficial traz editais do processo seletivo para contratação de médico plantonista
USA
À medida que a inauguração se aproxima, o escrutínio da aplicação da lei leva extremistas dos EUA para os cantos escuros da internet
Bonitão do PCC
Após pedido do MPF, Bonitão do PCC é removido para Presídio Federal