Menu
Busca Qua, 22 de setembro de 2021
(67) 9.9928-2002
Polícia Federal

PF faz operação contra fraudes em contratos de terceirização no Rio

São cumpridos 5 mandados de prisão preventiva no Rio e em Minas Gerais

14 maio 2020 - 09h00Por Agência Brasil-EBC
 
 
(Brasília - DF, 13/05/2020) Audiência com Luís Roberto Barroso, Ministro do Supremo Tribunal Federal; e Edson Fachin, Ministro do Supremo Tribunal Federal.
Foto: Marcos Corrêa/PR
© Marcos Correa/PR

Ministros levam a Bolsonaro convite para posse no TSE

A solenidade está marcada para o dia 25 de maio

Publicado em 13/05/2020 - 13:30 Por Andreia Verdélio - Repórter da Agência Brasil - Brasília

O presidente Jair Bolsonaro recebeu, hoje (13), em seu gabinete, no Palácio do Planalto, o presidente eleito do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, e o vice-presidente eleito, ministro Luiz Edson Fachin. Eles levaram ao presidente o convite para a posse na Corte, que acontecerá no próximo dia 25 de maio.

Para respeitar a recomendação de distanciamento social em razão da pandemia da covid-19, o TSE informou que o evento será realizado com uma mesa virtual, para a qual serão convidados os representantes dos três poderes.

Hoje pela manhã, na saída do Palácio da Alvorada, ao ser questionado sobre a realização das eleições municipais em outubro deste ano, Bolsonaro disse que o assunto está fora da sua alçada. “Já tenho problema demais para me meter mais nesse”.

Devido às mudanças causadas no país por causa do novo coronavírus (covid-19), há dúvidas se as eleições deste ano estão garantidas. Em uma conversa virtual com a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), no início do mês, o ministro Barroso admitiu que a data do pleito, cujo primeiro turno está marcado para 4 de outubro, pode mudar.

Segundo o próximo presidente do TSE, a decisão deve ser pautada por parâmetros sanitários e não políticos. “Por minha vontade, nada seria modificado porque as eleições são um rito vital para a democracia. Portanto, o ideal seria nós podermos realizar as eleições. Porém, há um risco real, e, a esta altura, indisfarçável, de que se possa vir a ter que adiá-las”, disse Barroso, que assumirá o comando da Corte eleitoral no lugar da ministra Rosa Weber.

Como a data do pleito – primeiro final de semana de outubro – está prevista na Constituição Federal, qualquer alteração nesse sentido terá que ser feita pelo Congresso Nacional.

Barroso pretende ter uma definição sobre o assunto em junho. É que nesse mês precisam ser feitos os testes nas urnas eletrônicas. Caso isso não seja possível, ele pretende se reunir com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), para que uma emenda constitucional estabeleça um novo calendário.

Edição: Fernando Fraga

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasília
CPI termina com sessão em briga, agressão verbal entre senadores e Ministro da CGU.
CPI no Senado Federal
A diferença de pensamento entre os Ministros do STF, Carmen, Nunes Marques e Rosa Weber.
Ministros divergem sobre obrigação de convocados à CPI da Covid
Justiça
Cármen Lúcia determina que CPI da Covid mantenha sigilo sobre dados de Ricardo Barros
Apenas o presidente da comissão, senador Omar Aziz, pode ter acesso aos dados do líder do governo na Câmara. Outros senadores membros da comissão terão acesso via requerimento
Policia Federal
Inquérito apura fraude na venda de medicamentos para o Ministério da Saúde entre 2016 e 2018; agentes também cumprem mandados na Precisa e na Global
PF investiga gestão Ricardo Barros e faz buscas em endereços de Max e secretário ligado a Ciro Nogueira
Paraná
PF desarticula quadrilha especializada em defensivos agrícolas ilegais
ONU
Presidente faz discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas
Abertura do evento é feita tradicionalmente pelo presidente do Brasil
Brasília
Senador quer convocar filho de Bolsonaro após provocação à CPI
Mato Grosso do Sul
Inverno se despede com temperaturas acima dos 40°C e umidade do ar em níveis críticos
Política
Transferência de pagamento de perícias médicas aos segurados do INSS é criticada em debare do Senado Federal.
Política
Deputados cassados por corrupção recebem aposentadoria de até R$ 23,3 mil pela Câmara