Menu
Busca Qua, 16 de outubro de 2019
(67) 9.9928-2002
POLÍTICA

Ameaçada de expulsão, Tabata diz que votou por convicção

O PDT fechou questão contra a reforma, mas oito deputados do partido declararam voto a favor

11 julho 2019 - 13h00

Ameaçada de expulsão do PDT por votar a favor da reforma da Previdência, a deputada Tabata Amaral (SP) disse que não vendeu seu voto e que o "sim" às mudanças nas regras de aposentadoria não significam um "sim" ao governo Jair Bolsonaro, tampouco um "não" à orientação do partido.

O PDT fechou questão contra a reforma, mas oito deputados declararam voto a favor. Cotada para disputar a prefeitura de São Paulo pelo PDT, Tabata disse não ter preocupação com a eleição municipal de 2020.

"A reforma que hoje votamos não pertence mais ao governo; ela sofreu diversas alterações feitas por esse mesmo Congresso. O sim que digo à reforma não é sim ao governo e também não é um não a decisões partidárias", disse. "Meu voto é um voto de consciência, não é um voto vendido, não é por dinheiro de emendas. É um voto seguindo minhas convicções e tudo que estudei até aqui. Ao tomar essa decisão olho para o futuro do País e não para o próximo processo eleitoral."

Ela divulgou em redes sociais vídeo em que lê discurso afirmando lutar pelos mais pobres. "Não é fácil, não é cômodo escolher esse caminho, mas é absolutamente urgente e necessário", afirmou. A parlamentar disse que teve coragem de tomar uma decisão "dolorosa" e que o regime de previdência atual "tira dinheiro de quem menos tem e transfere para os mais ricos".

"Ela aumenta a desigualdade do Brasil em um quinto e é impasse para o desenvolvimento do País", justificou. "Ser de esquerda não pode significar ser contra um projeto que, de fato, pode tornar o Brasil mais desenvolvido e mais inclusivo. Damos um primeiro passo, aquele que é possível para que a gente possa voltar a crescer de forma fiscalmente responsável para então distribuir renda."

Ameaçada no PDT, Tabata já teve convite informal de outras legendas, entre elas o Cidadania por causa de afinidades entre as convicções dela e o partido, segundo deputados da legenda. Ela foi sondada pelo deputado Marcelo Calero (RJ) e pelo presidente nacional do partido, Roberto Freire, ambos ex-ministros da Cultura, e pelo presidente do diretório em São Paulo, deputado Arnaldo Jardim (SP).

"Foi feito uma sinalização a ela de que é muito bem vinda, mas estamos respeitando o momento dela, a decisão será dela", disse o líder da legenda, deputado Daniel Coelho (PE)

Conforme jurisprudência no Tribunal Superior Eleitoral, não cabe ação de perda de mandato por infidelidade partidária se a expulsão for por descumprimento de orientação em votações no Congresso.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Covardia
Policial flagra perseguição e 2 são presos após roubarem mulher que caminhava com namorado na Orla
"Morto estava vivo"
Morto grita para sair de caixão e leva familiares às gargalhadas
Policia
Polícia do Rio prende suspeito de usar gás para lavar dinheiro
18 toneladas
Polícia incinera em MS 18,3 toneladas de drogas apreendidas na região de fronteira em dois meses
Policia
Jovem cai em golpe pelo WhatsApp e deposita dinheiro para estelionatário em MS
Justiça
Acusado de matar ex-sogra em MS é considerado inimputável e irá para internação
Política
"Eu quero provar que Moro é o bandido, não eu", diz Lula à RTP
Famosos
16 de outubro : aniversário de 90 anos de Fernanda MontenegroConfira alguns momentos marcantes deste dia!
Frota sugere Pabllo Vittar para ministério: ‘No lugar da Damares, faria melhor’
Fortaleza
Governo do Ceará não confirma morte em prédio que desabou