Menu
Busca Dom, 29 de novembro de 2020
(67) 9.9928-2002
Brasil

Anvisa autoriza importação de matéria-prima para fabricação da CoronaVac pelo Butantan

28 outubro 2020 - 17h40Por Reuters

BRASÍLIA (Reuters) - A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu nesta quarta-feira autorizar a importação da matéria-prima desenvolvida pela Sinovac necessária para que o Instituto Butantan fabrique a vacina chinesa contra a Covid-19, informou o órgão regulador em comunicado.

A decisão da Anvisa de autorizar a importação do insumo foi tomada em caráter excepcional, após alegação do Butantan de que estaria havendo demorado na liberação dessa etapa. Por ora, entretanto, não há vacina autorizada contra a Covid-19 no país.

No comunicado, a agência disse que o instituto precisa cumprir uma série de recomendações no manejo do insumo, como questões referentes ao armazenamento, transporte e manuseio. A vacina da Sinovac, conhecida como CoronaVac, está na última fase de testes em humanos.

Foi autorizada a importação, em caráter excepcional, de 120 bolsas com 200 litros cada, conforme formulado em granel de vacina inativa fabricada pela Sinovac, conforme solicitado pelo Butantan. O material será transformado em 40 milhões de doses da vacina, de acordo com o Butantan.

O relator do processo foi o próprio diretor-presidente da Anvisa, Antonio Barra, e o pedido foi aprovado por unanimidade pela diretoria do colegiado.

Na semana passada, o Butantan chegou a acusar a agência de um suposto atraso para analisar pedido de importação dos insumos, o que foi negado pelo órgão regulador.

VACINAS

Na sexta-feira passada, a Anvisa havia autorizado a importação de 6 milhões de doses prontas da vacina para Covid-19 fabricada pela chinesa Sinovac, também em atendimento a pedido feito em caráter excepcional pelo Butantan.

A vacina da Sinovac virou motivo de disputa acirrada entre o presidente Jair Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria, seu desafeto político, uma vez que o Butantan é ligado ao governo paulista.

Bolsonaro vetou um acordo costurado por seu ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, que previa a compra de 46 milhões de doses da vacina com o objetivo de integrar o Programa Nacional de Imunização.

O presidente chegou a dizer que a vacina não transmite segurança “pela sua origem” e não tem credibilidade.

Essa disputa foi parar no Supremo Tribunal Federal (STF) com ações que cobram, entre outras demandas, obrigar o governo federal a comprar doses da vacina chinesa

pedofilia

Deixe seu Comentário

Leia Também

Fama
Mike Tyson e Roy Jones Jr, com mais de 50 anos, fazem luta de exibição e viram foco do mundo esportivo.
STF
Moraes, do ST, prorroga por mais 60 dias inquérito que investiga possível interferência de Bolsonaro na PF
Campo Grande
Tiros, facadas e espancamento: Campo Grande tem fim de semana mais violento do mês
Só entre a noite de sábado e a madrugada de domingo, quatro homens foram assassinados na Capital
Fronteira
Preso brasileiro suspeito de assassinato de quatro homens de Fahd Jamil
Campo Grande
Último Autocine deste ano apresenta clássico espírita “Nosso Lar”
Fórmula 1
GP do Barein: Hamilton vence após acidente brutal de Grosjean e capotagem de Stroll
Indigenas
Empresas de SC e RS contratam 5 mil indígenas do Estado para a colheita da maçã
Campo Grande
Covid-19: aumento no número de casos coloca 31 municípios em grau de risco no Prosseguir
Brasíl
Maia: combate ao racismo deve ser agenda prioritária do Parlamento
Fórmula 1
Romain Grosjean sofre acidente assustador com fogo após largada do GP do Barein.