Menu
Busca Ter, 19 de janeiro de 2021
(67) 9.9928-2002
Investigação

Após virar alvo da Lava Jato, Jaques Wagner reaparece em ato na PF

11 abril 2018 - 11h12Por Redação Notícias VIP
Ausência sentida durante os dias em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva esteve na sede do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo, o ex-ministro e ex-governador da Bahia Jaques Wagner apareceu, pela primeira vez após o petista se entregar à Polícia Federal, na manhã desta quarta-feira (11), durante manifestação em frente à superintendência da corporação, em Curitiba (PR).

Antes disso, ele só havia gravado e divulgado um vídeo, em suas redes sociais, convocando a população para fazer uma vigília pela liberdade do ex-presidente. Wagner era apontado como plano B do PT na corrida presidencial, em caso de ausência de Lula, mas perdeu força depois que virou alvo da Lava Jato, em fevereiro.

Ele é acusado de receber R$ 82 milhões das empreiteiras OAS e Odebrecht, por meio do superfaturamento de contrato para reconstrução e gestão do estádio da Fonte Nova.

Ao discursar para os militantes presentes à mobilização, o ex-governador afirmou que participará do ato durante todo o dia de hoje e também amanhã. "Estou com 67 anos, lutei contra a ditadura, e confesso que não imaginava que iria viver uma ameaça à democracia como esta. E esta é mais complexa porque é hipócrita e cínica", criticou.

Jaques Wagner ainda afirmou que a prisão de Lula faz parte do golpe que começou com o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. "A matriz do golpe jurídico-parlamentar é a mesma: o desprezo pelo voto popular. Fizeram isso ao jogar no lixo 54 milhões de votos dados na Dilma", destacou.

Em seguida, reforçou que o partido segue acreditando na candidatura de Lula. "Tentam interditar aquele que mora no coração e na alma dos brasileiros, digo tentam porque eu acredito na nossa vitória e em Lula candidato", reforçou.

O ex-governador ainda chamou a população para participar de atos a favor do ex-presidente em todo o país. "Vamos fazer abaixo-assinado, passeata, movimento de rua, uma grande greve, emenda popular, é hora de vigília e de trabalho", conclamou.

Depois, falou ao microfone se dirigindo ao ex-presidente: "Lula, como você mesmo disse, se tirarem seus braços, você agitará o nosso; se tirarem as suas pernas, você caminhará com as nossas; se tirarem sua voz, você falará pela nossa voz", completou o político.
violência contra a mulher 2

Deixe seu Comentário

Leia Também

Campo Grande
Capital pode sofrer com situação semelhante à de Manaus, prevê USP
Campo Grande
Chuvas e temperatura amena em MS, nesta terça-feira.
Mundo
China enfrenta pior surto de covid-19 desde março de 2020
Governo federal
Vacinação contra covid-19 começa ainda hoje nos estados, diz Pazuello
Trânsito
DPVAT: Seguro obrigatório não será cobrado em 2021
Covid 19 em MS
Secretário de Saúde do MS anunciou trazer vacinas contra Covid 19
Tempo
Meteorologia prevê semana chuvosa em Mato Grosso do Sul
Vacina
Enfermeira negra é primeira pessoa vacinada contra covid-19 no Brasil
Vacina
Técnicos da Anvisa recomendam uso emergencial da vacina de Oxford
Campo Grande
Briga de trânsito na V. Aimoré termina com agressão a facão