Menu
Busca Sáb, 08 de agosto de 2020
(67) 9.9928-2002
Pesquisa de Opinião

Avaliação negativa de governo Bolsonaro passa para 45%, enquanto positiva vai a 30%, diz XP/Ipespe

20 julho 2020 - 20h45Por Reuters

SÃO PAULO (Reuters) - A avaliação negativa do governo do presidente Jair Bolsonaro oscilou 3 pontos para baixo em relação ao mês passado e agora soma 45%, mostrou pesquisa do instituto Ipespe para a XP Investimentos divulgada nesta segunda-feira, que também apontou que a avaliação positiva variou 2 pontos para cima, chegando a 30%.

De acordo com o levantamento, o percentual dos que consideram o governo Bolsonaro regular é de 24%, ante 22% no levantamento realizado no mês passado.

Os números mostraram em geral uma leve melhora na avaliação do governo Bolsonaro, mas dentro da margem de erro da pesquisa, de 3,2 pontos percentuais. Isso se repetiu também em relação ao desempenho do presidente no combate à pandemia de Covid-19, doença respiratória causada pelo novo coronavírus.

Para 52%, o desempenho de Bolsonaro nesta área é ruim ou péssimo, ante 55% em junho, ao passo que 25% consideram ótimo ou bom, contra 22% no mês passado. Os que avaliam como regular são 21%, ante 20% na pesquisa anterior.

A pesquisa ouviu 1.000 pessoas por telefone entre os dias 13 e 15 de julho.

Por Eduardo Simões

news

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasíl e Mundo
STF manda soltar o poderoso
Brasíl
Covid 19 está matando no Brasil e no mundo
Brasíl
PGR recorre de decisão que impediu acesso a dados da Lava Jato
Meio Ambiente
Mourão defende avanços nos sistemas de monitoramento da Amazônia Para ele, também é preciso tratar do problema fundiário da região
Esporte
Vai Mercedes
Meio Ambiente
Prossegue combate a incêndio florestal na Serra dos Órgãos
Brasíl
Anac autoriza táxi-aéreo a vender assento individual Medida, em caráter emergencial, terá validade de dois anos
Bandido
Pistoleiro pede mais dinheiro para vítima e deixá-la em paz.
Campo Grande
Ameaça de demissão em massa do Transporte Público da capital
Brasíl e Mundo
OMS: recuperação econômica global pode ser mais rápida com vacina