Menu
Busca Seg, 25 de janeiro de 2021
(67) 9.9928-2002
Política

Bolsonaro aponta supostos infiltrados para agredir fotógrafo e jornalista

04 maio 2020 - 10h34Por Reuters

SÃO PAULO (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro disse nesta segunda-feira em uma rede social que não viu as agressões cometidas por pessoas que o apoiam contra jornalistas durante manifestação em frente ao Palácio do Planalto no domingo e responsabilizou “possíveis infiltrados” pelos ataques.

Em publicação no Facebook, Bolsonaro reclamou da cobertura dada ao fato pelo programa Fantástico, da TV Globo, e comparou a agressão sofrida por repórteres e fotojornalistas que cobriam a manifestação —que teve entre suas bandeiras ataques ao Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF)— à atuação da polícia no cumprimento de ações determinadas por autoridades locais para garantir o isolamento social durante a pandemia de coronavirus.

“Também condenamos a violência. Contudo, não vi tal ato, pois estava nos limites do Palácio do Planalto e apenas assisti à alegria de um povo que, espontaneamente, defendia um governo eleito, a democracia e a liberdade”, escreveu o presidente, que classificou a manifestação como “pacífica”, apesar das agressões a jornalistas registradas em imagens.

“Agora, não vi, em dias anteriores a TV Globo sair em defesa de uma senhora e filha que foram colocadas a força dentro de um camburão por estarem nadando em Copacabana, outra ser algemada por estar numa praça em Araraquara (SP) ou um trabalhador também ser algemado e conduzido brutalmente para uma DP no Piauí.”

Autoridades locais fecharam praias, praças e parques para garantir o distanciamento social —criticado por Bolsonaro, mas preconizado pela Organização Mundial de Saúde como ferramenta fundamental para frear a disseminação do coronavírus. Já a atividade jornalística foi considerada essencial durante a pandemia em decreto editado pelo presidente.

Na manifestação de domingo, quando novamente houve aglomeração contrariando orientações de saúde para conter a Covid-19, doença respiratória causada pelo coronavírus que já infectou mais de 101 mil pessoas no Brasil e matou mais de 7 mil, Bolsonaro disse que chegou “ao limite” e que “não tem mais conversa”.

 

“Daqui para frente, não só exigiremos, faremos cumprir a Constituição, ela será cumprida a qualquer preço. E ela tem dupla mão, não é de uma mão de um lado só não”, afirmou.

As agressões, que incluíram chutes, socos e empurrões contra profissionais dos jornais Estado de S. Paulo e Folha de S.Paulo, acontecem depois de, no sábado, apoiadores do presidente agredirem fisicamente um cinegrafista da RIC TV, afiliada da TV Record em Curitiba, que cobria manifestações durante o depoimento do ex-ministro da Justiça Sergio Moro na Superintendência da Polícia Federal no Paraná.

Na sexta-feira, durante o feriado do Dia do Trabalho, profissionais de saúde que faziam um ato em Brasília para chamar atenção para a morte de colegas que morreram no combate à pandemia, também foram agredidos fisicamente por apoiadores de Bolsonaro.

racismo

Deixe seu Comentário

Leia Também

Campo Grande
Casa de Evento na MS-080 reuniu cerca de 15 mil pessoas no sábado no Show de dupla sertaneja
Fronteira
"Gringo Gonzales", considerado um dos mais temidos do mundo do crime, foi preso em PJC.
Fronteira
Pistoleiro que executou policial paraguaio foi preso e transferido para Assunção.
Campo Grande
Festa com aglomeracão é flagrada e organizadores vão parar na polícia.
Oxigênio
Caminhões com carga de oxigênio chegam a Manaus
Covid 19 em MS
Número de casos de Covid-19 continua alto na maioria das cidades do Estado
Vacina
Fiocruz negocia mais 15 milhões de doses de vacina da AstraZeneca
Acidente
Avião cai em TO com jogadores e presidente do Palmas Futebol
Campo Grande
Incompetência do prefeito Marcos Trad faz usuário do transporte coletivo sofrer
Esporte
Brasileirão: de olho no título, Flamengo encara Athletico em Curitiba