Menu
Busca Qua, 16 de outubro de 2019
(67) 9.9928-2002
POLÍTICA

Bruno Covas ameaça sair do PSDB se Aécio Neves ficar no partido

Covas passou a defender a expulsão de Aécio por causa das acusações de corrupção que pesam contra ele

11 julho 2019 - 14h00

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Depois de o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, ameaçar deixar o PSDB caso o deputado federal Aécio Neves (MG) não seja expulso, aliados do parlamentar mineiro dizem que a ala paulista da sigla tenta instalar o que chamam "tribunal de exceção".

Os tucanos mais próximos a Aécio defendem que o partido respeite o "direito de defesa" do deputado no conselho de ética da sigla e pregam o que chamam de "enfrentamento e resistência" do mineiro.

A coluna Mônica Bergamo revelou nesta quarta (10) que Covas passou a defender a expulsão de Aécio por causa das acusações de corrupção que pesam contra ele. O prefeito chegou a dizer que o PSDB terá que optar: "Ou eu ou ele".

"Espero que o bom senso prevaleça e que todo e qualquer membro do partido que porventura venha a ser objeto de questionamento ético tenha respeitado seu direito de defesa no conselho de ética do partido", disse à reportagem o deputado Paulo Abi-Ackel, que preside o diretório estadual do PSDB em Minas Gerais.

"A presunção de inocência é uma conquista do Estado democrático de Direito e no PSDB essa regra não será diferente", afirmou Abi-Ackel.

Procurado, Aécio não quis comentar as declarações do correligionário nem o pedido de expulsão. Em maio, em sua convenção nacional, o PSDB aprovou um novo código de ética e disciplina, segundo o qual um integrante só pode ser expulso depois de encerrado todo o rito no conselho de ética.

Após a declaração de Covas, aliados de Aécio procuraram o presidente nacional do partido, Bruno Araújo (PE). De acordo com os relatos feitos à reportagem, o dirigente tucano indicou que seguirá o regimento interno e estaria trabalhando para tentar conter a rebelião da ala paulista.

Em nota divulgada no Twitter do PSDB, Araújo repetiu o que disse aos correligionários. "Eventuais representações contra quaisquer filiados do PSDB seguirão a tramitação prevista no código de ética recentemente aprovado por unanimidade em convenção partidária. Sempre obedecendo todas as garantias processuais, respeitando o devido contraditório, e ao princípio da ampla defesa", afirmou.

Os integrantes do conselho de ética tucano foram eleitos em maio, mas, por questões burocráticas, o colegiado ainda não foi instalado. Ele será comandado pelo ex-vice-governador do Espírito Santo Cesar Colnago, que tem demonstrado disposição de seguir todos os passos do processo interno.

Em São Paulo, a declaração de Covas deu gás a um movimento dos tucanos paulistas contra Aécio. "Ou ele ou nós. Não podemos abrir mão da bandeira da moralização sempre defendida pelo PSDB", disse à reportagem Geraldo Malta, coordenador do grupo evangélico do partido.

Preocupados com a eleição para a prefeitura da capital paulista no ano que vem, aliados de Covas –que tentará a recondução ao cargo– estão articulando atos contra o mineiro em São Paulo para reafirmar o discurso de que, se Aécio não sair, haverá uma debandada no partido.

A afirmação de Covas foi feita na manhã desta quarta, quando o prefeito acompanhava o governador de São Paulo em exercício, Rodrigo Garcia (DEM), em uma entrega de trens da CPTM no Brás, no centro da capital. O governador João Doria (PSDB) está em viagem a Londres.

No meio da cerimônia, os jornalistas questionaram Covas sobre o fato de o diretório do PSDB em Belo Horizonte defender a permanência de Aécio, em resposta ao fato de o PSDB municipal de São Paulo sugerir a expulsão dele.

"Já [me] manifestei diversas vezes no sentido da expulsão do deputado Aécio Neves do partido", afirmou Covas. "Se o diretório do PSDB de Belo Horizonte quer a minha expulsão, essa é uma boa decisão, então, que fica agora para o PSDB nacional: ou eu ou Aécio Neves no partido." "É um ou outro?", perguntaram os jornalistas. "É um ou outro. É incompatível", respondeu. 

O diretório municipal do PSDB de São Paulo aprovou no último dia 4 uma moção pedindo a expulsão do deputado do partido. "Este diretório avalia que postura e o histórico de Aécio ferem os princípios do Código de Ética, além de denegrir a imagem do partido", diz nota divulgada pelo presidente municipal da sigla, Fernando Alfredo.

Aécio, ex-senador e ex-governador de Minas, foi alvo de ao menos nove investigações oriundas das delações da Odebrecht, da JBS e do ex-senador Delcidio do Amaral (ex-PT).

Na terça (9), João Doria, defendeu que Aécio deveria sair espontaneamente do partido para evitar a necessidade de expulsão. Em entrevista a O Estado de S. Paulo, afirmou que a permanência do mineiro na legenda tem gerado um "mal-estar" e disse que "o melhor seria uma saída espontânea". Para Doria, seria a forma mais "clara, transparente, equilibrada e serena" de conduzir o processo.

 

Com informações, Política/Notícias ao Minuto.

Deixe seu Comentário

Leia Também

18 toneladas
Polícia incinera em MS 18,3 toneladas de drogas apreendidas na região de fronteira em dois meses
Policia
Jovem cai em golpe pelo WhatsApp e deposita dinheiro para estelionatário em MS
Justiça
Acusado de matar ex-sogra em MS é considerado inimputável e irá para internação
Política
"Eu quero provar que Moro é o bandido, não eu", diz Lula à RTP
Famosos
16 de outubro : aniversário de 90 anos de Fernanda MontenegroConfira alguns momentos marcantes deste dia!
Frota sugere Pabllo Vittar para ministério: ‘No lugar da Damares, faria melhor’
Fortaleza
Governo do Ceará não confirma morte em prédio que desabou
Polícia
Chamaram -no de covarde que corumbaense era covardeCorumbaense
Exame para identificar vírus Zika é comercializado no país
Tragédia
Mortos por tufão no Japão chegam a 69. Dez seguem desaparecidos