Menu
Busca Seg, 25 de janeiro de 2021
(67) 9.9928-2002
Saúde Pública

Câmara aprova decreto de calamidade pública por conta do coronavírus

19 março 2020 - 08h06Por Plantão de Notícias

 plenário da Câmara aprovou nesta quarta-feira (18), por votação simbólica, a Medida Provisória (MP) 899/2019, que trata da negociação de dívidas tributárias. O dispositivo regulamenta a transação tributária, com o objetivo de estimular a regularização de débitos fiscais e a resolução de conflitos entre contribuintes e a União. A matéria segue para análise do Senado.

A expectativa do governo é regularizar a situação de 1,9 milhão de contribuintes, que devem R$ 1,4 trilhão nessa modalidade. O texto também trata da negociação de contenciosos tributários em processos no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), que somam mais de R$ 600 bilhões.

Pelo texto da MP, serão alcançados créditos tributários não judicializados sob a administração da Receita Federal, e à dívida ativa e tributos cobrados pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), a Procuradoria-Geral Federal (PGF) e a Procuradoria-Geral da União (AGU).

Segundo a medida, para os débitos inscritos em dívida ativa, a negociação poderá ser feita por proposta pela PGFN, PGF e AGU ou por adesão do contribuinte a regras que serão definidas pelo Ministério da Economia posteriormente. Para os demais débitos, incluindo os de pequeno valor, somente por adesão.

O contribuinte “pessoa jurídica” poderá parcelar a dívida em até 84 meses e reduzir em até 50% o valor do débito transacionado. Nos casos que envolvam pessoa natural, microempresa ou empresa de pequeno porte, o prazo de parcelamento será de até 120 meses (eram 100 meses na MP), com redução de até 70% dos débitos fiscais.

Para a transação do contencioso tributário de pequeno valor, limitado a 60 salários mínimos e de responsabilidade de pessoa física, microempresa ou empresa de pequeno porte, o Poder Executivo poderá conceder prazo de pagamento de até 60 meses e reduzir o crédito tributário em atraso em até 50%, autorizada a diminuição do valor do principal.

As dívidas com o FGTS também estão incluídas, desde que autorizadas pelo Conselho Curador do fundo, que estabelecerá as condições. Já no caso do Simples Nacional, a negociação dependerá de lei complementar por se tratar de regime especial que envolve impostos federais, estaduais e municipais. 

*Colaborou Luciano Nascimento

Edição: Fábio Massalli

Empresa Brasileira de Comunicação

pedofilia

Deixe seu Comentário

Leia Também

Campo Grande
Casa de Evento na MS-080 reuniu cerca de 15 mil pessoas no sábado no Show de dupla sertaneja
Fronteira
"Gringo Gonzales", considerado um dos mais temidos do mundo do crime, foi preso em PJC.
Fronteira
Pistoleiro que executou policial paraguaio foi preso e transferido para Assunção.
Campo Grande
Festa com aglomeracão é flagrada e organizadores vão parar na polícia.
Oxigênio
Caminhões com carga de oxigênio chegam a Manaus
Covid 19 em MS
Número de casos de Covid-19 continua alto na maioria das cidades do Estado
Vacina
Fiocruz negocia mais 15 milhões de doses de vacina da AstraZeneca
Acidente
Avião cai em TO com jogadores e presidente do Palmas Futebol
Campo Grande
Incompetência do prefeito Marcos Trad faz usuário do transporte coletivo sofrer
Esporte
Brasileirão: de olho no título, Flamengo encara Athletico em Curitiba