Menu
Busca Qua, 28 de julho de 2021
(67) 9.9928-2002
POLITICA

Caso Queiroz: um dia depois, Bolsonaros permanecem calados sobre suspensão

18 janeiro 2019 - 18h40

Pouco mais de vinte e quatro horas após o ministro Luiz Fux, do STF (Supremo Tribunal Federal), suspender a investigação do MPF-RJ (Ministério Público Federal do Rio de Janeiro) sobre Carlos Queiroz, ex-assessor do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), os integrantes políticos da família Bolsonaro não se manifestaram publicamente sobre a decisão judicial até as 15h20 desta sexta-feira (18).

Na noite de quinta-feira (17), Flávio limitou-se a escrever "Vamos começar a restabelecer a verdade" em um post no Instagram em que replicou uma nota oficial de sua defesa. No texto, os defensores do atual deputado estadual dizem que pediram a suspensão da investigação após reconhecerem "nulidades" no processo, entre eles uma suposta quebra de sigilo bancário e fiscal de Flávio sem autorização judicial. 

 

 

Visualizar esta foto no Instagram.

Vamos começar a restabelecer a verdade: “A assessoria de Flávio Bolsonaro informa que sua defesa ajuizou Reclamação no Supremo Tribunal Federal em face do MP/RJ tendo em vista que, ao ter acesso aos autos do procedimento, verificou ser o Senador objeto de investigação, o que atrai a competência ao Supremo Tribunal Federal — única autoridade competente para decidir sobre o foro adequado à continuidade das investigações em curso relativamente a ele. Ademais, a defesa apontou, na Reclamação, nulidades diversas, como a quebra dos sigilos bancário e fiscal do Senador, para fins de investigação criminal, sem autorização judicial. Todos os requerimentos feitos limitaram-se à pessoa do Sr. Flávio Bolsonaro e aos procedimentos ilegais que foram tomados em relação a ele pelo MP/RJ, não implicando solicitação relativamente a nenhum terceiro.”

Uma publicação compartilhada por Flávio Bolsonaro (@flaviobolsonaro) em

 

Seguidores do atual deputado, no entanto, reclamaram de ele não se posicionar sobre o caso.

"Abre a boca aí cara em cadeia nacional, nos expomos, vestimos a camiseta Bolsonaro, brigamos com familiares por vcs, se votamos no seu pai, votamos em toda família Bolsonaro! Fala a real, desse seu envolvimento com o Queiroz aí! A massa precisa ouvir de vc e não de terceiros!", escreveu um. "Creio que temos o direito de uma resposta, por respeito às expectativas que depositamos em vcs de fazer do Brasil um país, não digo totalmente mas, o mais recuperado possível do câncer da corrupção", escreveu outra.

Desde o início das investigações, Flávio deu duas entrevistas - uma a vários repórteres e outra exclusiva ao SBT - e se manifestou em postagens pelo Twitter, a mais recente delas de 21 de dezembro do ano passado, quando disse, "pela enésima vez", que não poderia "ser responsabilizado por atos de terceiros". "E não cometi nenhuma ilegalidade. O ex-assessor é quem deve dar explicações. Todos da minha equipe trabalham e a prova de que o gabinete funciona bem são minhas crescentes votações", comentou.

 

Pai e irmãos se calam 

Com constante presença nas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) não fez nenhuma menção ao caso nas redes sociais até as 15h10 desta sexta-feira (18). Desde a divulgação da suspensão autorizada pelo STF, Bolsonaro pai falou sobre uma entrevista que concedeu a um canal italiano de televisão, sobre malha rodoviária e o atentado na Colômbia, além de um comentário sobre tomadores de recursos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

O mais ativo dos filhos nas redes é o vereador carioca Carlos Bolsonaro (PSL). Desde ontem, ele fez publicações sobre posse de armas e apoio à Colômbia em razão do atentado. Ele ainda criticou reportagem do UOL e textos de outros veículos de comunicação, além de comentários a respeito do Foro de São Paulo. Sobre a decisão do STF, não houve comentários.

Deputado federal reeleito, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) também não se manifestou sobre o tema nas redes sociais. Desde ontem, ele usou sua conta no Twitter para falar sobre uma empresa chinesa de tecnologia, fez referência à crise política na Venezuela, confirmou presença no Fórum Econômico em Davos, e, assim como Carlos, criticou a imprensa.

 

 

O caso

Nesta quarta (16), Luiz Fux suspendeu a investigação criminal do MP-RJ que apura movimentações financeiras atípicas de Fabrício Queiroz. Segundo relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), ele teria movimentado R$ 1,2 milhão em um período de 13 meses. Entre estas movimentações, estariam depósitos de outros exassessores de Flávio Bolsonaro em sua conta bancária.

No pedido que levou à suspensão da investigação, o senador eleito alegou ter foro privilegiado no Supremo e pediu a anulação das provas recolhidas pelo Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras).

A decisão de Fux é liminar (provisória) e deverá ser analisada pelo ministro Marco Aurélio Mello após o fim do recesso judiciário, em 1º de fevereiro.

Para determinar a suspensão do processo, Fux considerou que, como Flávio Bolsonaro passou a ter foro privilegiado no STF ao ser diplomado senador, caberá ao Supremo decidir sobre em qual instância deverá correr o processo.

Em maio de 2018, a Corte decidiu, por unanimidade, restringir o foro privilegiado para deputados federais e senadores apenas para processos sobre crimes praticados durante o exercício do mandato e que tenham relação com a função parlamentar. Mesmo assim, fica a cargo de cada ministro relator dos processos analisar quais deverão ser enviados a instâncias inferiores.

 

 

 

 

 

 

 

 

fonte:uolnoticias

news

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mato Grosso do Sul
Inscrições prorrogadas para a segunda edição do Prêmio Inova
Oportunidade
Estão abertas as inscrições para curso de idiomas na UEMS
Brasília
PP não vai aceitar filiação de Bolsonaro
Dourados
Agesul retira mais de 800 toneladas de lixo das margens da MS-156 em Dourados
Interior
SubsRacial leva Campanha Julho das Pretas a Rochedo, com temas de saúde e educação
Mato Grosso do Sul
Temperaturas voltam a subir e ar seco segue predominando nesta quarta-feira
Mato Grosso do Sul
Governo investe R$ 5,8 milhões na pavimentação da MS-455, criando novo acesso a Capão Seco
Interior
Corpo de Bombeiros monitora incêndios com imagens de satélite e amplia fiscalização em áreas de focos
Campo Grande
Até quando a massa de ar frio polar vai atuar em Mato Grosso do Sul?
Esportes
Hoje é Dia: nota 10 de Comaneci e Dia do Futebol marcam semana