Menu
Busca Qui, 23 de setembro de 2021
(67) 9.9928-2002
Brasíl

Chefe do ICMBio deixa cargo, desacordo com Salles sobre Pantanal motivou saída, dizem fontes

21 agosto 2020 - 08h00Por Agência Brasil EBC

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Homero Cerqueira, deixou o cargo na quinta-feira e o motivo da exoneração, publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira e antecipada pela Reuters na noite da véspera, foi um desacordo com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, sobre a atuação da agência no combate aos incêndios no Pantanal, disseram à Reuters duas fontes com conhecimento do assunto.

De acordo com uma das fontes, a decisão foi tomada depois de uma reunião entre Salles e Cerqueira na quinta.

Na terça-feira, o ministro foi ao Mato Grosso do Sul verificar os incêndios que se espalham pelo Pantanal e já destruíram cerca de 10% da cobertura vegetal da região, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Salles criticou a atuação do ICMBio no combate às queimadas em conversas com fazendeiros da região, o que teria incomodado Cerqueira, disse a fonte.

A saída dele do comando do ICMBio, antecipada pela Reuters na noite de quinta-feira, foi confirmada na edição desta sexta do Diário Oficial e também em nota do ministério encaminhada à Reuters nesta madrugada.

“O MMA agradece o empenho e dedicação do Cel. Homero à frente da Presidência do ICMBio, seguindo na modernização e reformulação dos órgãos ambientais federais”, afirma a nota.

Ainda não foi definido o substituto de Cerqueira no comando da agência.

Coronel da Polícia Militar de São Paulo, Cerqueira é o segundo presidente do instituto a deixar o cargo em pouco mais de um ano e meio de governo do presidente Jair Bolsonaro. Ele assumiu o cargo em maio do ano passado, no lugar do ambientalista Adalberto Eberhard, que pediu demissão depois de uma visita ao Parque Nacional da Lagoa do Peixe (RS) em que Salles ameaçou abrir processos administrativos contra servidores que não teriam comparecido ao evento em que ele estava.

O policial militar foi o responsável por colocar em prática uma reestruturação do ICMBio planejada por Salles que centralizou a gestão do órgão e colocou na mão de militares e policiais quatro das cinco gerências criadas então.

Ele chegou a ter seu nome ventilado como um possível sucessor de Salles em julho deste ano, quando a saída do ministro era dada como certa por aliados do governo depois de vários problemas, mas Bolsonaro decidiu bancar sua permanência.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Fogo
Combate aos incêndios no Pantanal mobiliza 510 homens e seis aeronaves: incidência de focos é menor em três anos críticos
Eleição 2022
Senado aprovou novo Código Eleitoral e vai à sanção presidencial.
Economia
Dólar fecha acima de R$ 5,30 após anúncio do Banco Central americano
CPI da Covid
CPI: diretor da Prevent Senior é acusado de mentir e passa à condição de investigado
Brasíl
Sem coligações, CCJ do Senado aprova PEC da reforma eleitoral
Polícia Federal
A Operação Apate cumpre mandados em São José dos Campos
Brasilia
CPI da Covid-19; início da sessão com "rasgação de seda" entre senadores da oposição tentando reverter a impressão negativa da briga causada por senadora e ministro
Brasília
Briga na CPI: presidente da CPi fala que Bolsonaro causa vergonha, senador Marcos Rogério rebate dizendo que a CPI da Covid que faz vergonha a muito tempo.
Tempo e temperatura
Primavera começa com tempo claro e ensolarado em Mato Grosso do Sul
Brasília
CPI termina com sessão em briga, agressão verbal entre senadores e Ministro da CGU.