Menu
Busca Seg, 21 de setembro de 2020
(67) 9.9928-2002
DECISÃO

Condenação do tucano Eduardo Azeredo é mantida pelo TJ de Minas

Por Carol Assis
A maioria dos desembargadores da 5ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais negou o recurso do ex-governador Eduardo Azeredo (PSDB). Com isso, foi mantida a condenação do tucano por desvio de dinheiro (peculato) e lavagem de dinheiro.

O desembargador Júlio César Lorens, relator do recurso que analisa a condenação do ex-governador, votou para manter a sentença contra o tucano de 20 anos e um mês de reclusão.

Segundo a votar, o desembargador Alexandre de Carvalho acolheu a tese da defesa de anulação da condenação de Azeredo. Foi dele o voto derrotado no primeiro julgamento, em que votou pela absolvição do ex-governador.

Já o desembargador Pedro Vergara, terceiro a dar seu voto, também manteve seu entendimento anterior e argumentou pela condenação.

Ministros do STF admitem possibilidade de soltura e candidatura de Lula

Vergara afirmou que Azeredo atuou pelo êxito da empreitada criminosa. "Como governador, ele tinha a posse jurídica do dinheiro entregue pelas estatais [a sua campanha]."

Três dos cinco desembargadores votaram por negar o recurso. O desembargador Adilson Lamounier, quarto a votar, também não aceitou o recurso.

Ainda falta o voto de Eduardo Machado, que, porém, não pode alterar a maioria formada.

No recurso julgado nesta terça (24), votam os três desembargadores que já analisaram o caso e o condenaram por dois a um.

Além deles, participam mais dois desembargadores. Um deles, o relator, primeiro a votar.

Lorens considerou que Azeredo não só teve conhecimento como foi um dos autores intelectuais dos delitos.

O desembargador também manteve o entendimento pela prisão assim que se esgotarem os recursos no TJ.

Seguindo o mesmo entendimento do Supremo Tribunal Federal que levou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à prisão, o ex-governador pode ser preso caso a condenação seja mantida pelo TJ, a segunda instância da Justiça estadual.

ENTENDA O CASO

A denúncia oferecida em 2007 pela Procuradoria-Geral da República, quando Azeredo ocupava o cargo de senador, acusa o tucano de desviar R$ 3,5 milhões de empresas estatais de Minas (Copasa, Comig e Bemge) para sua fracassada campanha à reeleição de 1998.

As empresas pagaram os valores para a SMP&B, do publicitário Marcos Valério, para supostamente patrocinar três eventos esportivos. A orientação para que as estatais concedessem o patrocínio partiu da Secretaria de Comunicação do governo.

As investigações mostram, porém, que os recursos foram usados para cobrir empréstimos da campanha junto ao Banco Rural.

A denúncia foi aceita pelo STF dois anos mais tarde. Com informações da Folhapress.
news

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasíl
Estudo da FGV aponta que pandemia provocou queda de renda de 20,1%
Nova Andradina
PRF apreende mais de 300 quilos de maconha dentro de veículo Reno, tipo scenic e prende traficantes
Nova Alvorada do Sul
PRF prende traficantes com drogas em interior de veículo, no total apreendido foram 306 quilos de maconha e um casal dentro de carro.
Brasíl
Fazendeiro criminoso é multado duas vezes por fazer queimadas e derrubadas sem autorização
Ms
Taxa de mortalidade da Covid 19 continua no estado
Dourados
Vizinhos chamam a polícia e três pessoas são presas em flagrante com drogas e munições
Brasil e Mundo
Paulo Borrachinha e Adesanya se encontram no hotel em Abu Dhabi em clima descontraído e aos risos
Brasil
Congresso fará aperfeiçoamento da reforma administrativa, diz ministro
Campo Grande
Ministro do STF, Marco Aurélio, submeteu-se à cirurgia no joelho e já está em casa.
Campo Grande
Covid 19 mata Professor de Educação física e pré-candidato a vereador do Solidariedade