Menu
Busca Qui, 17 de junho de 2021
(67) 9.9928-2002
DECISÃO

Condenação do tucano Eduardo Azeredo é mantida pelo TJ de Minas

Por Carol Assis
A maioria dos desembargadores da 5ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais negou o recurso do ex-governador Eduardo Azeredo (PSDB). Com isso, foi mantida a condenação do tucano por desvio de dinheiro (peculato) e lavagem de dinheiro.

O desembargador Júlio César Lorens, relator do recurso que analisa a condenação do ex-governador, votou para manter a sentença contra o tucano de 20 anos e um mês de reclusão.

Segundo a votar, o desembargador Alexandre de Carvalho acolheu a tese da defesa de anulação da condenação de Azeredo. Foi dele o voto derrotado no primeiro julgamento, em que votou pela absolvição do ex-governador.

Já o desembargador Pedro Vergara, terceiro a dar seu voto, também manteve seu entendimento anterior e argumentou pela condenação.

Ministros do STF admitem possibilidade de soltura e candidatura de Lula

Vergara afirmou que Azeredo atuou pelo êxito da empreitada criminosa. "Como governador, ele tinha a posse jurídica do dinheiro entregue pelas estatais [a sua campanha]."

Três dos cinco desembargadores votaram por negar o recurso. O desembargador Adilson Lamounier, quarto a votar, também não aceitou o recurso.

Ainda falta o voto de Eduardo Machado, que, porém, não pode alterar a maioria formada.

No recurso julgado nesta terça (24), votam os três desembargadores que já analisaram o caso e o condenaram por dois a um.

Além deles, participam mais dois desembargadores. Um deles, o relator, primeiro a votar.

Lorens considerou que Azeredo não só teve conhecimento como foi um dos autores intelectuais dos delitos.

O desembargador também manteve o entendimento pela prisão assim que se esgotarem os recursos no TJ.

Seguindo o mesmo entendimento do Supremo Tribunal Federal que levou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à prisão, o ex-governador pode ser preso caso a condenação seja mantida pelo TJ, a segunda instância da Justiça estadual.

ENTENDA O CASO

A denúncia oferecida em 2007 pela Procuradoria-Geral da República, quando Azeredo ocupava o cargo de senador, acusa o tucano de desviar R$ 3,5 milhões de empresas estatais de Minas (Copasa, Comig e Bemge) para sua fracassada campanha à reeleição de 1998.

As empresas pagaram os valores para a SMP&B, do publicitário Marcos Valério, para supostamente patrocinar três eventos esportivos. A orientação para que as estatais concedessem o patrocínio partiu da Secretaria de Comunicação do governo.

As investigações mostram, porém, que os recursos foram usados para cobrir empréstimos da campanha junto ao Banco Rural.

A denúncia foi aceita pelo STF dois anos mais tarde. Com informações da Folhapress.
vacina sim

Deixe seu Comentário

Leia Também

Semana começa com restrições em 43 cidades do MS; confira o que pode e não pode
Mato Grosso do Sul
Última semana de outono será de tempo firme e temperaturas agradáveis em MS
UEFA Euro 2020
Veja a repercussão dos jornais internacionais do mal súbito de Eriksen em Dinamarca x Finlândia
Campo Grande
Com 43 municípios em risco extremo, começa a valer nova classificação do Prosseguir
Tempo e temperatura
Domingo de tempo firme e temperaturas agradáveis em Mato Grosso do Sul
Geral
5 flores para plantar em junho e deixar seu jardim mais colorido
Mato Grosso do Sul
Secretaria de Estado de Saúde transfere mais quatro pacientes para São Bernardo do Campo nesta sexta-feira
Geral
Ford: R$ 10 milhões pelo ralo diariamente
Octógono
Douglas Lima é dominado por ucraniano e perde cinturão do Bellator
Tempo e temperatura
Tempo contribui para clima agradável com sol e friozinho no dia dos namorados