Menu
Busca Ter, 26 de janeiro de 2021
(67) 9.9928-2002
Política

Congresso tem reunião na terça para votar veto e emendas

09 março 2020 - 15h00Por Plantão de Noticias

Depois da manutenção do veto do presidente Jair Bolsonaro a dispositivos do orçamento impositivo, deputados e senadores voltam a se reunir em sessão conjunta na terça-feira (10), às 14h, para votar outros vetos pendentes e os três projetos de lei do Congresso Nacional (PLNs) que mudam a divisão da execução do Orçamento da União.

Os PLNs, que regulamentam o orçamento impositivo na LDO e na Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2020, fazem parte do acordo que viabilizou a manutenção do veto às emendas impositivas do relator-geral do Orçamento na quarta-feira (4). A expectativa é que os três projetos sejam analisados na terça-feira pela manhã na Comissão Mista de Orçamento (CMO) e encaminhados na sequência ao Plenário do Congresso.

Com a manutenção da parte do Veto 52/2019, o governo prossegue sem a obrigação de executar com prioridade os itens do Orçamento incluídos por meio de emendas do relator-geral e das comissões permanentes — que representam, somadas, cerca de R$ 30,7 bilhões.

Um dos textos encaminhados pelo governo (PLN 3/2020) transforma R$ 9,6 bilhões de emendas do relator-geral em gastos discricionários do Executivo, ou seja, não obrigatórios.

Outra proposta enviada pelo Poder Executivo insere na atual legislação orçamentária critérios que podem barrar a execução obrigatória de emendas parlamentares individuais ou de bancada estadual, o PLN 2/2020.

Já o PLN 4/2020 determina que, na execução de emendas, relator-geral ou comissão do Congresso somente serão ouvidos pelo governo quando a iniciativa parlamentar reforçar a dotação original proposta pelo Executivo, e apenas em relação ao montante que foi acrescido.

Segundo a justificativa do ministro da Economia, Paulo Guedes, as alterações na LDO são necessárias para permitir eventuais ou futuras modificações nas emendas apresentadas pelo relator-geral e pelas comissões, e também para assegurar o cumprimento da meta fiscal deste ano — um deficit primário de R$ 124,1 bilhões.

BPC

Entre os vetos que podem ser mantidos ou derrubados, está o veto integral (VET 55/2019) do presidente Jair Bolsonaro ao PLS 55/1996. Esse projeto de lei eleva o limite de renda per capita familiar de quem tem direito ao Benefício de Prestação Continuada (BPC). A elevação seria de um quarto, limite atual, para meio salário mínimo.

Na justificativa do veto presidencial, argumenta-se que a medida criaria novas despesas obrigatórias para o governo, sem indicar uma fonte de custeio e sem demonstrar os impactos orçamentários. Por esse motivo, segundo o presidente, a mudança violaria a Constituição e a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte: Agência Senado

violência contra a mulher

Deixe seu Comentário

Leia Também

Campo Grande
Presidente da Alems, Paulo Corrêa assume como governador em exercício de MS, nas férias de Reinaldo Azambuja
Campo Grande
Dono de hotel é detido com droga e dinheiro no centro
Campo Grande
Agentes da PRF interceptam carga de 9,5 tonelada de maconha na MS-276
Campo Grande
Onça solta no Pantanal já se alimentou e até atravessou o Rio Paraguai a nado
Covid 19 em MS
MS registra 1.047 novos casos; outros 5,2 aguardam encerramento
Marido matou esposa com 17 tiros após churrasco de família em fazenda de MS
Campo Grande
Quatro presos fogem do presídio de segurança Máxima de madrugada
Três Lagoas
Homem agride companheira e é preso por menina.
Covid 19
Janeiro registra mais de 460 óbitos por coronavírus e já é o 3º pior mês da pandemia
Tempo
Terça-feira de tempo claro, calor e pancadas de chuva à tarde