Menu
Busca Qua, 03 de junho de 2020
(67) 9.9928-2002
Campo Grande

Deputado Federal Dagoberto é condenado

04 novembro 2019 - 16h16Por Redação

 TCU (Tribunal de Contas da União) determinou o deputado federal Dagoberto Nogueira (PDT) e as empresas Novadata Sistemas e Computadores S.A. e Interprint Ltda ao pagamento de mais de R$ 4 milhões ao Tesouro Nacional, por não ter implantado em 2003 o Afis (Sistema Automático de Impressões Digitais) que modernizaria o Sistema de Identificação Civil e Criminal das Polícias, em Mato Grosso do Sul. Parte do recurso foi disponibilizado pelo Ministério da Justiça.

De janeiro de 2003 a abril de 2004, o deputado foi secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública. Durante sua gestão, conforme o relatório do TCU, o valor pago pela implantação do sistema foi de R$ 3,3 milhões às empresas que faziam parte do consórcio InterNova.

As empresas receberam o valor um dia após a assinatura do contrato e sem que o pagamento correspondesse a nenhuma contraprestação de serviços. No processo consta que as notas fiscais emitidas no dia do pagamento não tinham nenhuma especificação dos bens ou serviços adquiridos. 

Segundo a defesa apresentada pelo deputado federal, o sistema Afis se encontraria em operação, à época, com a execução integral do referido ajuste, destacando que os peritos teriam realizado o curso para o uso do sistema. As irregularidades a ele atribuídas teriam decorrido de “revanchismo político” e de informações inverídicas prestadas pelo então diretor do Instituto de Identificação estadual.

Porém, o TCU rejeitou as alegações de defesa apresentadas por Dagoberto Nogueira, pois não foram apresentados documentos nem, tampouco, as justificativas tendentes a estabelecer o necessário nexo causal entre os recursos federais repassados e o objeto pactuado no ajuste, sendo que o pagamento foi efetuado um dia após o fechamento do contrato, mesmo sem comprovantes apresentados. 

Ainda segundo o TCU, o projeto executivo foi apresentado em extenso documento, mas sem o conteúdo necessário para caracterizá-lo como projeto executivo, já que a “solução global” então proposta, com as suas especificações técnicas e funcionais, só seria apresentada ao longo do desenvolvimento do projeto.

As empresas contratadas alegaram ter executado os serviços em desacordo com o convênio e, tanto a Novadata quanto a Interprint, teriam elaborado o projeto executivo de solução integrada por equipamentos e sistemas sem corresponder ao objeto pactuado com os recursos federais alocados, destacando que, para elaborar o projeto, o consórcio teria indevidamente exigido o pagamento antecipado.

A empresa Interprint apresentou proposta de pagamento antecipado do débito no valor de R$ 936.214,81, em parcela única, com a atualização monetária desde 9 de julho deste ano. 

O pagamento do valor ao Tesouro Nacional pode ser parcelado em até 36 vezes, segundo a decisão e o deputado e a empresa Novadata, terão que pagar R$ 3.101.417,28.

 

, Dagoberto e Zeca do PT

 
 
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde Pública
Brasil tem novo recorde diário com 1.262 mortes por coronavírus e passa de 31 mil óbitos
Auxílio Emergencial
Câmara dá prioridade para mãe chefe de família no auxílio emergencial Texto vai agora para análise do Senado
STF
Moraes libera acesso de advogados ao inquérito sobre fake news
Politica
PL Fake news Projeto seria votado hoje e foi retirado da pauta do Senado
Política
PL das fake news, que seria votado hoje no Senado, é retirado de pauta
Esporte
Fred irá de BH ao Rio de bicicleta e doará cestas
Polícia
PF vai investigar vazamento de dados de Bolsonaro e outras autoridades
Saúde
São Paulo tem novo recorde de casos de covid-19
Coronavirus
Marcos Marcello Trad foi notificado a instalar barreiras sanitárias na rodoviária interestadual
Campo Grande
Monza bate em Hilux no Vilas Boas