Menu
Busca Dom, 19 de janeiro de 2020
(67) 9.9928-2002
TRÂMITE

Entenda ; Lula pode registrar candidatura

26 março 2018 - 09h38Por Redação Notícias VIP
Os desembargadores da 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), Victor Luiz dos Santos Laus, João Pedro Gebran Neto e Leandro Paulsen, julgam nesta segunda-feira (26) os últimos recursos do ex-presidente Lula na segunda instância. São embargos de declaração, que não têm o poder de mudar a sentença, mas apenas esclarecer alguns pontos.

No entanto, mesmo que a Corte negue estes embargos, ainda restará à defesa de Lula mais uma chance para adiar o processo. Seria o "embargo do embargo", que consiste no pedido, por parte dos advogados, de esclarecimentos sobre a decisão.

A análise desse "embargo do embargo" ficaria, então, para uma próxima sessão. Mas, conforme destaca O Globo, a chance de sucesso desta ação é pequena, visto que, em outros casos, os desembargadores consideraram a medida meramente protelatória.

Em janeiro último, o TRF-4 confirmou a condenação imposta a Lula pelo juiz federal Sérgio Moro, na ação penal envolvendo o tríplex no Guarujá (SP). A pena ainda foi revisada e aumentou para 12 anos e um mês de prisão, por corrupção e lavagem de dinheiro.

Sobre os embargos de declaração que serão julgados hoje, o Ministério Pública Federal (MPF) já se pronunciou: recomendou a negação e a prisão do ex-presidente. Já o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, na última semana, julgar habeas corpus que tenta impedir a prisão de Lula - após condenação na segunda instância -, o que deve ser feito no próximo dia 4. Na mesma sessão, a Corte concedeu salvo-conduto a Lula, que não pode ser preso até lá.

Alternativas

Se a apelação da defesa do petista for negada, hoje, no TRF-4, Lula será enquadrado na Lei da Ficha Limpa. "A partir da publicação do acórdão do julgamento do embargo, Lula estará enquadrado na Lei da Ficha Limpa", diz a advogada Carolina Clève, especialista em Direito Eleitoral, ao O Globo.

Mas os advogados do ex-presidente ainda podem recorrer a instâncias superiores para mantê-lo candidato à presidência da República. Para isso, devem apresentar um pedido de suspensão da inelegibilidade.

Conforme O Globo, o pleito deve integrar os dois últimos recursos a que o ex-presidente tem direito, sendo um recurso especial no Superior Tribunal de Justiça (STJ), que serve para apontar decisões ou atos do processo que violem princípios como os da ampla defesa, e um recurso extraordinário no STF, usado para questionar decisões e atos que violem dispositivos constitucionais ou ofensas à Constituição.

No STJ, se Lula vencer, ele reverte a condenação penal e afasta a chance de prisão. Caso o pedido seja negado, a defesa, então, poderá apelar para o STF.

Sendo assim, com base na suspensão da inelegibilidade, mesmo enquadrado na Lei da Ficha Limpa, Lula pode solicitar o registro de candidatura. E a Lei Eleitoral diz que, com a solicitação do pedido, o candidato está autorizado a realizar atos de campanha até a decisão definitiva sobre o registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), cujo prazo final é 15 de agosto.



Deixe seu Comentário

Leia Também

Internacional
Vírus de origem chinesa pode ter infectado mais de mil de pessoas
Bela Vista
Pistoleiros assassinam dois politicos na fronteira
Política
Novo partido não usará fundo eleitoral sancionado, diz Bolsonaro
UFC
MacGregor atropela e nocauteia Cowboy
Brasil
Mais 11 lotes de cerveja Backer estão contaminados, informa ministério
Sorte ou Azar
Mega-Sena, concurso 2.225: ninguém acerta e prêmio acumula em R$ 32 milhões
Brasília
Erro no ENEM é desrespeito 'escancarado' do governo Bolsonaro com a educação, diz união de estudantes
STF
DCM - Alexandre de Moraes revelado por tucanos, indicado por Temer, segura processo de Onix
Campo Grande
Ladrões são presos minutos após roubo
UFC
Cerrone admite surpresa com versão de Conor, mas frisa: "Não sei com o que ele me provocaria