Menu
Busca Qui, 03 de dezembro de 2020
(67) 9.9928-2002
Justiça BARIRI (SP)

Ex-prefeito preso por estupro é investigado por outros assédios

Por Carol Assis
O ex-prefeito de Bariri (SP) Paulo Henrique de Barros Araújo, de 34 anos, preso por suspeita de estupro contra uma menina de 8 anos, está sendo investigado por outros dois casos de assédio contra crianças. Os novos inquéritos foram abertos nesta terça-feira, 24, depois que as mães das meninas supostamente assediadas pelo então prefeito interino procuraram a Polícia Civil. As crianças teriam reconhecido Barros de Araújo como o autor dos assédios com base em fotos dele apresentadas pela polícia.

Em um dos casos, no último dia 18, em Bariri, o homem que estava em um carro preto abordou uma menina de 9 anos em um ponto de ônibus e tentou fazer com que a criança entrasse no veículo. Ele estava sem calças e manipulava o órgão sexual, segundo a vítima. A Polícia Civil teve acesso às imagens de uma câmera que comprovariam a abordagem.

O outro caso teria acontecido em Itapuí (SP), na mesma região, no dia 18. Conforme o relato de uma menina de 10 anos, ela seguia para a escola quando um homem com as mesmas características a abordou com o pretexto de pedir informações. Segundo a criança, o assediador estava com o órgão sexual exposto e praticava ato libidinoso.

O delegado seccional de Bauru, Ricardo Martines, informou que as duas novas denúncias serão juntadas ao inquérito que apura o crime de estupro de vulnerável do qual Barros de Araújo já é acusado. Ele foi preso em flagrante, na noite de sábado, 21, acusado de atrair para o interior de seu carro e estuprar uma menina de 8 anos que havia saído de casa, no bairro José Regino, em Bariri, para comprar pão.

No domingo, 22, em audiência de custódia, a juíza Ana Lúcia Graça Lima Aiello converteu em prisão preventiva a prisão em flagrante. O ex-prefeito foi transferido para a Penitenciária de Tremembé (SP). Conforme o delegado, o inquérito deve ser concluído em dez dias.

Interino

Barros de Araújo exercia o cargo de prefeito interinamente, depois que a Justiça cassou o registro da chapa vencedora da eleição municipal de 2016. Após sua prisão, a Câmara o afastou do cargo, nomeando outro interino. Uma nova eleição está marcada para o dia 3 de junho. O político, que pertencia ao PSDB, foi expulso da legenda.

O advogado Humberto Pastrello, que acompanhou Araújo durante a prisão em flagrante, informou que não cuida mais do caso. O novo advogado que chegou a ser contatado pela família do acusado, Edson Roberto Reis, informou nesta quarta-feira, 25, que não assumirá a defesa dele. Familiares do ex-prefeito foram procurados pela reportagem, mas informaram que não falariam sobre o caso. Com informações do Estadão Conteúdo.
racismo

Deixe seu Comentário

Leia Também

Campo Grande
Morreu na frente de presidio em Campo Grande de onde tinha acabado de sair.
Mundo
PF cumpre cinco mandados de prisão por tráfico de drogas
Judiciário
Bicho e Pantanal Cap sofrem investidas do Gaeco e outras forças policiais por ordem do TJ
Campo Grande
Operação Omertà, fase Black Gay, cumpre mandados no combate ao jogo do bicho e ao Pantanal Cap
Justiça
Ação popular movida por 500 advogados pede anulação das eleições municipais de 2020
Campo Grande
Operação Omertà tem mais uma fase sendo cumprida hoje 2/11/2020
Brasil
Bolsonaro afirma que "Auxílio Emergencial não é eterno, vai acabar".
Brasíl
Mato Grosso do Sul busca parceria do BRB para ampliar linhas de financiamento
Campo Grande
Presidiário executado na calçada da Gameleira, mandou matar, decapitar e queimar ex-esposa e a cunhada
Campo Grande
Homem é executado a tiros na frente de presídio