Menu
Busca Dom, 28 de fevereiro de 2021
(67) 9.9928-2002
POLÍTICA

Genro de Leo Pinheiro na Caixa e a farsa do triplex: a nomeação dele é suspeita. Por Joaquim de Carvalho

12 janeiro 2019 - 09h30

Sem Leo Pinheiro, ex-presidente da OAS, o processo que levou à condenação e, consequentemente, à prisão do ex-presidente Lula não ficaria de pé.

No processo, o que sustenta a condenação é a declaração de Leo Pinheiro de que haveria um caixa geral da propina na OAS e que, nesse caixa, foi debitado o triplex do Guarujá como propina a Lula.

Não existe nenhuma prova de que Lula fosse o dono do imóvel ou que tivesse usufruído do bem. A família dele não tinha chave e nunca passou uma noite sequer no imóvel.

As provas que estão no processo indicam o contrário: o triplex pertencia à própria OAS, que o deu como uma das garantias de uma operação de crédito junto à Caixa Econômica Federal.

Há uma escritura, registrada em cartório de Salvador, na Bahia, que assegura à Caixa os direitos econômicos sobre o triplex.

Se Lula aceitasse o imóvel, mais cedo ou mais tarde ele teria que pagar à Caixa cerca de 2 milhões de reais.

Para a defesa de Lula, conforme consta das alegações finais do processo, essa operação de crédito na Caixa é a prova mais contundente da inocência de Lula.

O problema é que, desde segunda-feira, quem dá as cartas na Caixa Econômica Federal é o genro de Leo Pinheiro, Pedro Guimarães.

Em tese, sua presença lá representa um potencial conflito de interesses.

Se a Caixa é dona dos direitos econômicos do triplex, a obrigação dela é cobrar sua parte no leilão realizado depois da autorização dada por Sergio Moro, quando ainda era juiz.

Mas, se a Caixa cobrar pelo que é seu, estará desmontada a farsa.

A operação de crédito que possibilitou à OAS receber 300 milhões de reais do Fundo de Garantia administrado pela Caixa está descrita no contrato assinado em 2 novembro de 2009, quando a construtora estava assumindo os projetos da construtora.

Em 25 de fevereiro de 2011, a Caixa respondeu, em aditivo, que uma das garantias para a emissão de debêntures seriam as unidades do empreendimento no Guarujá, inicialmente chamado Mar Cantábrico, mais tarde rebatizado para Solaris.

O contrato foi registrado em um cartório de Salvador e só foi localizado depois de intensa pesquisa realizada pela defesa de Lula.

O advogado, Cristiano Zanin Martins, havia pedido a Sergio Moro que determinasse à Caixa a entrega dos documentos, mas, diante da negativa, realizou por conta própria a pesquisa.

O contrato está juntado no processo, mas a defesa não consegue saber se a Caixa recebeu pela operação de crédito.

Em resposta a um pedido formulado pelo DCM, a Caixa informou que não tem direitos econômicos sobre o triplex.

“O referido imóvel não figura como garantia de operações da Caixa, isto é, a Caixa não possui qualquer relação com a propriedade do imóvel, logo não há o que se falar em prejuízo em razão arrematação noticiada”, diz a nota.

A pedido da assessoria, encaminhei as partes do processo que tratam da vinculação da operação de crédito com os empreendimentos da OAS, entre os quais o Solaris do Guarujá.

Até agora, não recebi resposta complementar à minha pergunta: a Caixa vai assumir o prejuízo com o leilão do triplex?

Toda a documentação, que pode ou não ajudar na defesa de Lula, está agora debaixo da autoridade de Pedro Guimarães.

A instituição informa que, nascido  no Rio de Janeiro, ele é Ph.D. em economia pela University of Rochester, mestre em economia pela FGV/RJ e Bacharel em economia pela PUC/RJ.

Tem vinte anos de experiência no mercado financeiro e coordenou diversas operações de mercado de capitais, como ofertas públicas iniciais (IPO’s), fusões e aquisições (M&A’s), entre outras, além de assessoramento em reestruturações de empresas.

Também foi membro dos Conselhos de Administração da Terra Brasis Resseguros e Eólicas do Sul.

É um currículo de valor, mas será que não haveria na sociedade (ou mercado) ninguém com um currículo de peso como este e que não fosse ligado a um elemento chave na condenação de Lula?

Leo Pinheiro mudou o depoimento dele na Justiça, ainda que não fosse aceito na condição de delator — sempre é importante lembrar que, como delator, ele não poderia mentir, mas como co-réu é um direito dele faltar com a verdade.

Os acusadores é que têm de provar que ele mente.

A palavra de Leo Pinheiro foi aceita como parte do conjunto de indícios para condenar Lula.

E, em razão disso, o ex-presidente da OAS obteve redução da pena no processo do triplex e agora, no caso do sítio de Atibaia, pretende benefícios “em grau máximo”.

O que pode desmontar o castelo de cartas levantado por Leo Pinheiro está justamente nos arquivos da CEF, o que faz da presença de seu genro lá uma temeridade.

.x.x.x.

Veja os documentos:

Contra da caixa com oas sobre triplex atribuído a Lula from diariodocentrodomundo

Contra da caixa com oas sobre triplex atribuído a Lula 

Aditivo ao contrato do solaris do guaruja from diariodocentrodomundo

Aditivo ao contrato do solaris do guaruja

 

 

 

 

 

 

fonte:diariodocentrodomundo

Deixe seu Comentário

Leia Também

Corumbá
Militares desrespeitam ordem e fazem festa no centro da capital do Pantanal
Campo Grande
Autódromo de Campo Grande tem evento com aglomeracão de pessoas
Pandemia de Covid 19
Brasil tem recorde de mortes por covid-19 pelo terceiro dia seguido
Covid 19 em MS
Capacidade de leitos hospitalares segue em situação crítica e número de casos continua aumentando
STF
STF concede domiciliar a empresário preso em operação contra Crivella
Turismo
Fornatur e ABEAR se reúnem para alinhar informações sobre acordos com empresas aéreas durante pandemia
Oportunidade
Vídeo sobre planejamento financeiro está disponível no canal da PGE/MS
Esporte
Estado faz repasses a clubes para a disputa do Estadual de Futebol 2021
Tempo e temperatura
Previsão do Tempo: Céu claro e altas temperaturas estão previstas para o fim de semana
Oportunidade
Seleção de profissionais para credenciamento na Escolagov segue até dia 31 de março