Menu
Busca Ter, 21 de janeiro de 2020
(67) 9.9928-2002
Lula

Habeas corpus de Maluf pode abrir brecha para soltura de Lula; entenda

11 abril 2018 - 16h58Por Alcides Bernal
O julgamento do habeas corpus do deputado afastado Paulo Maluf (PP-SP), nesta quarta-feira (11), pelos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), pode abrir uma oportunidade para a defesa do ex-presidente Lula tentar, mais uma vez, sua soltura.
Maluf foi condenado pelo próprio STF a sete anos, nove meses e dez dias de prisão, em regime fechado, acusado de lavagem de dinheiro. Em dezembro do ano passado, o ministro Edson Fachin, relator do caso envolvendo o parlamentar, determinou que ele começasse a cumprir a pena.

O político ocupava uma das celas do presídio da Papuda, no Distrito Federal, até o dia 28 último, quando o ministro Dias Toffoli decidiu conceder habeas corpus ao político, autorizando-o a cumprir prisão domiciliar. Antes, o recurso já havia sido negado por Fachin.

Como os entendimento dos ministros Fachin e Toffoli divergem, a questão foi, então, levada ao plenário da Corte, e deve ser decidida hoje.

Impasse

No entanto, a liminar concedida a Maluf por Dias Toffoli acabou criando um impasse, já que derrubou a decisão de outro ministro da Corte. O entendimento vigente no Supremo é de que não cabe habeas corpus contra atos de ministros do tribunal. É uma interpretação extensiva à súmula que impede recursos contra decisões das turmas da Corte ao plenário.

Mas, na avaliação de Toffoli, a jurisprudência do STF autoriza a concessão do habeas corpus em situações como a de Maluf, ou seja, alguém com idade avançada - 86 anos -, e quadro de saúde agravado.

Sendo assim, nesta quarta, antes de julgar o habeas corpus do deputado afastado, os ministros devem discutir a questão. Se o atual entendimento do Supremo mudar, abre-se uma brecha para Lula: um futuro novo pedido de habeas corpus impetrado pela defesa do petista poderia, em tese, ser concedido monocraticamente por um ministro, de acordo com informações de O Globo.

Lula está preso na sede da Polícia Federal em Curitiba, desde o último sábado (7), após determinação do ministro Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato em primeira instância. O ex-presidente foi condenado a 12 anos e um mês de prisão, pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, no caso do triplex no Guarujá (SP).

Deixe seu Comentário

Leia Também

Campo Grande
Região nobre da capital reclama de Trad
Fronteira violenta
Polícia apreende arma e dinheiro em Ponta Porã
Fronteira
Droga potente e cara
Estados Unidos da América
Começa o julgamento do impedimento de Donald Trump
Caarapó
Filha foge e deixa pai trancado depois de tentativa de estupro
Campo Grande
Motorista de aplicativo é roubado por menores
Geral
Mega-Sena sorteia 32 milhões nesta terça (21/01)
Polícia
Empresário que estava no motel com veterinária morta, compareceu na polícia para evitar prisão
Campo Grande
Guanandi foi esquecida pela prefeitura
Eldorado
Policiais do DOF apreendem mais de 22 mil pacotes de cigarros contrabandeados em Eldorado