Menu
Busca Qua, 05 de maio de 2021
(67) 9.9928-2002
Política

Históricos de cassação de mandato mancha 'reputação política' de Miranda

28 abril 2018 - 20h53Por Redação Notícias VIP
Terra do ex-governador de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, Pedro Pedrossian, que morreu em agosto do ano passado, aos 89 anos de idade, a cidade de Miranda, famosa nacionalmente por ser a porta de entrada do Pantanal sul-mato-grossense, exuberante e uma das maiores planícies de sedimentação do mundo, ano após ano, desde 2004, vem sendo notada por outra razão, nada a ver com patrimônio ambiental: escândalos eleitorais.

Último acontecimento, ocorrido na sexta-feira (27), arranha ainda mais a reputação da classe política da cidade. Desta vez, o juiz eleitoral Alexandro Motta determinou a cassação dos mandatos da prefeita Marlene de Mattos Bossay, do vice-prefeito, Adailton Rojo Alves, ambos do MDB e também do filho de Marlene, Alexandre Bossay, vereador do PSDB.

Para segurar o mandato que expiraria em 2020, Marlene terá de convencer o TRE (Tribunal Regional Eleitoral) de que a denúncia por compra de votos, em 2016, é improcedente. Missão difícil, já que há depoimentos e imagens gravadas do filho Alexandre distribuindo cestas básicas aos moradores da Lalima, aldeia indígena, que fica a uns cinco quilômetros da cidade.

À época do crime eleitoral, em setembro daquele ano, Alexandre foi até preso e solto depois por força de recurso judicial.

Em 2013, por duas ocasiões, entre março a abril, a então prefeita da cidade, Juliana Almeida, à época do PT, e o vice-prefeito Sidnei Barbosa, do PSC, também foram cassados, justo por crime ligado a compra de votos.

E note o motivo das cassações de Juliana, segundo o juízo eleitoral: ?por pagamento de diversos eleitores da Aldeia Lalima da quantia de R$ 70,00, com a finalidade única e específica de obter seus votos?.

Pouco mais de um ano depois, em julho de 2014, Juliana retomou o mandato graças um recurso concordado pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

E sabe quem havia substituído Juliana no período de afastamento? Marlene Bossay. E, à época, ela também foi denunciada por participar ?pessoalmente? de um suposto esquema de compra de votas em troca de vantagem financeira e distribuição de cargos públicos por apoio eleitorais. Tais suspeitas foram, inclusive, gravadas em vídeos e exibidos pela internet.

Em 2004, a então prefeita da cidade, Elizabeth Almeida, do PT, que disputava à reeleição, teve a candidatura barrada em primeira instância. Ainda assim foi a mais votada. Ela foi acusada de ofertar materiais de construção a um índio. Mas conseguiu o mandato. No fim  de 2007, Beth renunciou ao cargo alegando problema de saúde.

 
vacina sim

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasília
Senadores comemoram liminar do STF que obriga governo a realizar o censo
Brasíl
Publicada MP de flexibilização trabalhista para enfrentamento da crise
Polícia
Polícia Federal faz operação contra tráfico de drogas em cinco estados
Brasília
Aliada de Bolsonaro tem ligação com juiz que tentou tirar Renan da CPI da Covid
Esporte
Bahia goleia por 5 a 0 na Sul-Americana Tricolor de Aço vence o Guabirá, da Bolívia
Economia
Governo pagará R$ 418 milhões em salários no Dia do Trabalhador
Esporte
Libertadores: Santos é superado pelo Boca na Bombonera
Campo Grande
Há muita sujeira em Campo Grande, dizem moradores do Duque de Caxias
Esporte
Internacional se recupera na Libertadores com vitória sobre Táchira
Brasíl
Petrobras registra queda de 5% na produção no 1º trimestre do ano