Menu
Busca Ter, 03 de agosto de 2021
(67) 9.9928-2002

irmã de Marquinhos, genro de secretária e derrotados ganham cargos na gestão tucana

15 janeiro 2019 - 14h30

Edição extra do Diário Oficial, publicada neste sábado com 25 páginas, define os escolhidos para integrar a equipe do segundo mandato de Reinaldo Azambuja (PSDB). O tucano priorizou nomes técnicos para o segundo escalão, mas também garantiu cargos com bons salários para ex-prefeitos, ex-vereadores e candidatos derrotados nas últimas eleições.

Entre os abençoados, estão a irmã do prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), o genro da secretária estadual de Educação, Maria Cecília Amendola da Motta, e até investigado na Operação Lama Asfáltica e réu no escândalo do Aquário do Pantanal.

PPS menor, político na saúde e duas supersecretarias, o 2º mandato de Reinaldo
Governo deve gastar R$ 91,8 milhões com comissionados só do Poder Executivo
Única representante da família Trad na disputa de uma vaga na Assembleia Legislativa no ano passado, Maria Thereza Trad Alves, a Tetê Trad (PTB) fracassou nas urnas ao conseguir apenas 5.337 votos. No entanto, a irmã de Marquinhos, do senador eleito Nelsinho Trad (PTB) e do deputado federal reeleito Fábio Trad (PSD) não ficará sem salário.

Famosa pela beleza exposta nas páginas da Playboy e pela coragem ao expor-se como vítima da violência doméstica, Tetê foi nomeada na Secretaria de Governo com salário de R$ 9.259. Ela vai dividir o mesmo espaço com o ex-vereador de Campo Grande, José Chadid (PSDB), que é irmão do conselheiro do Tribunal de Contas, Ronaldo Chadid.

O mesmo salário foi garantido a Fredson Freitas Costa, que não conseguiu se eleger deputado federal nem vereador por Paranaiba. Gerson Prata Júnior fracassou como candidato a prefeito de Miranda, enquanto Inácio da Silva Espíndola (PSDB) não teve êxito nas urnas para ser vereador na pequena cidade de Laguna Carapã.

Ex-prefeita de Miranda pelo PT, Juliana Pereira Almeida de Almeida, continua no cargo com salário de R$ 9,2 mil. Quando era prefeita, ela chegou a ser afastada do cargo pela Justiça por mais de um ano.

O ex-prefeito de Amambaí, Dirceu Lanzarini, foi nomeado como secretário especial no Escritório de Representação Política, que lhe assegurará salário mensal de R$ 24.376,89.

Réu por corrupção passiva na Operação Coffee Break, a emblemática investigação que acuou o golpe para cassar o mandato de Alcides Bernal (PP), o ex-vereador de Campo Grande, Flavio Cesar Mendes de Oliveira foi nomeado como secretário especial, com salário de R$ 24.376,89, e adjunto do poderoso secretário de Governo, Eduardo Riedel.

Flávio ainda pode se tornar réu por improbidade administrativa na Coffee Break. O juiz David de Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, aceitou a denúncia, mas o Tribunal de Justiça determinou o arquivamento da ação. Agora, o MPE recorreu contra a decisão ao Superior Tribunal de Justiça, que só rejeitou, até o momento, a denúncia contra o ex-vereador Edson Shimabukuro (PTB).

Reinaldo manteve o advogado Marcelo Monteiro Salomão na Secretaria Estadual de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho, com salário de R$ 11.769. A Justiça determinou a sua exoneração do comando do Procon no ano passado, mas a decisão foi ignorada pelo Governo, que o reconduziu à função após as eleições.

Salomão é genro de Maria Cecília e mantém cargos na gestão desde o início do primeiro mandato de Reinaldo. Ele sempre manteve o mesmo salário em todas as funções que ocupou, seja na Casa Civil, na secretaria comandada pela sogra e no Procon.



Governador nomeou comissionados em edição extra do Diário Oficial, publicada neste sábado, quando não há expediente nos órgãos públicos (Foto: Arquivo)



O engenheiro Luiz Mário Mendes Leite Penteado foi reconduzido para continuar com cargo de direção na Secretaria de Infraestrutura. Ele é investigado pela Polícia Federal na Operação Lama Asfáltica e virou réu, ao lado do ex-secretário Edson Giroto, por suposta fraude e diversas irregularidades na obra do Aquário do Pantanal.

Flávio Britto retorna à Secretaria Estadual de Saúde. Marido da ex-vereadora Luiza Ribeiro, ele já integrou a pasta quando Geraldo Resende foi secretário na gestão de Zeca do PT. Britto já foi presidente da Fundesporte, na gestão de André Puccinelli (MDB), e comandou a Funasa (Fundação Nacional de Saúde).

Os cargos do segundo escalão:

Fundação de Turismo: Bruno Wendling
Fundação de Cultura: Carine Beatriz Giaretta
Agraer: André Nogueira Borges
TV e Rádio Educativa: Bosco Martins
Agepen: Aud de Oliveira Chaves
Iagro: Luciano Chiochetta
Imasul: Ricardo Éboli Gonçalves Ferreira
Inmetro: Nilton Pinto Rodrigues
Agehab: Maria do Carmo Avesani Lopez
Fundesporte: Marcelo Pereira Miranda
Jucems: Augusto César Ferreira de Castro
Fundect: Márcio de Araújo Pereira
Secretários-adjuntos:
Administração: Édio Souza Viegas
Direitos Humanos, Trabalho e Assistência Social: Adriano Chadid Magalhães
Fazenda: Lauri Kener
Governo: Flávio César Mendes de Oliveira
Desenvolvimento e Meio Ambiente: Ricardo Senna
Educação: Édio Antônio Resende de Castro

Reinaldo ainda não definiu os presidentes do Detran e da Sanesul. O órgão de trânsito será comandado interinamente pelo coronel Francisco Libório Silveira, que já foi comandante da Polícia Militar.

Por enquanto, os deputados estaduais Mara Caseiro e Enelvo Felini, do PSDB, seguem sem funções definidas. Eles sonham em ser contemplados pelo governador.

Inicialmente, o tucano planejava nomear um deputado estadual no primeiro escalão para manter a deputada na Assembleia, mas a estratégia falhou. Ela é cotada para a Fundação de Cultura, já Athayde Nery não aceitou o cargo após a sua secretaria ser extinta.

Com a manutenção de André Nogueira Borges na Agraer (Agência de Desenvolvimento Rural), o governador acabou optando pela manutenção de um funcionário de carreira no comando do órgão.

Reinaldo prometeu reduzir o número de comissionados. A oposição, caso existisse, teria uma missão interessante em checar se a promessa será cumprida e poderia começar a contagem com as centenas de nomeações feitas neste sábado, um dia em que o Diário Oficial raramente é publicado.


Réu na Coffee Break por corrupção passiva, Flávio César volta à política como adjunto da supersecretaria de Governo (Foto: Arquivo)

 

 

 

 

 

 

 

fonte:mgsnews

violência contra a mulher

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mato Grosso do Sul
Inscrições prorrogadas para a segunda edição do Prêmio Inova
Oportunidade
Estão abertas as inscrições para curso de idiomas na UEMS
Brasília
PP não vai aceitar filiação de Bolsonaro
Dourados
Agesul retira mais de 800 toneladas de lixo das margens da MS-156 em Dourados
Interior
SubsRacial leva Campanha Julho das Pretas a Rochedo, com temas de saúde e educação
Mato Grosso do Sul
Temperaturas voltam a subir e ar seco segue predominando nesta quarta-feira
Mato Grosso do Sul
Governo investe R$ 5,8 milhões na pavimentação da MS-455, criando novo acesso a Capão Seco
Interior
Corpo de Bombeiros monitora incêndios com imagens de satélite e amplia fiscalização em áreas de focos
Campo Grande
Até quando a massa de ar frio polar vai atuar em Mato Grosso do Sul?
Esportes
Hoje é Dia: nota 10 de Comaneci e Dia do Futebol marcam semana