Menu
Busca Dom, 20 de junho de 2021
(67) 9.9928-2002
Operação Coffee Break

Juiz condena Olarte e absolve oficial por vazamento

25 maio 2018 - 10h28Por Redação Notícias VIP
O ex-prefeito de Campo Grande, Gilmar Antunes Olarte, foi condenado por espionar o Tribunal de Justiça e pelo vazamento da Operação Coffee Break, que apurou o suposto golpe para cassar o mandato de Alcides Bernal (PP). No entanto, devido a insuficiência de provas, o oficial de Justiça Mauro Lino Alves Pena, acusado de ser o espião, foi absolvido.

A sentença é do juiz David de Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, e foi publicada nesta sexta-feira no Diário da Justiça. É mais uma condenação a pesar contra o ex-prefeito, já condenado a oito anos e quatro meses de prisão por corrupção e por improbidade administrativa em outros dois processos.

Veja mais:
Presidente do STJ nega recurso especial que pode evitar prisão de Olarte
Olarte foi condenado a perda da função pública, suspensão dos direitos político por quatro anos e ao pagamento de multa de R$ 100 mil. Ele ainda poderá recorrer da sentença, que só será executada quando transitar em julgado.

A espionagem do TJ foi desvendada justamente na Operação Coffee Break, realizada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), que apreendeu o telefone celular de Olarte.

Apesar de ter apagado as mensagens, porque ficou sabendo da operação com antecedência, conforme a denúncia e conclusão do magistrado, a promotoria recuperou as mensagens entre o ex-prefeito e o oficial de Justiça.

Além de contatos diários, os dois marcaram encontros em locais estranhos para conversar, como a garagem subterrânea de uma padaria localizada na Avenida Mato Grosso.

Logo após o protocolo da medida cautelar pedindo o afastamento de Olarte e do presidente da Câmara, Mario Cesar de Oliveira (MDB), as trocas de mensagens se tornaram mais frequentes. O então prefeito chegou a ingressar com pedido de habeas corpus no Superior Tribunal de Justiça antes da operação, desencadeada no dia 25 de agosto.

Gomes conclui que os fatos deixam claro que alguma informação a respeito da Cofffee Break vazou. Além disso, no dia do afastamento, o Gaeco não encontrou Olarte na prefeitura nem na sua casa. Ele ainda apagou as mensagens do telefone celular antes de entregá-lo às autoridades, como tinha determinado o desembargador Luiz Cláudio Bonassini, do TJMS.

Até os vereadores teriam ficado sabendo do vazamento. O magistrado cita mensagem do vereador Carlos Augusto Borges, o Carlão, no grupo de whatsapp Câmara Unida, às 5h da manhã: Bom dia!  Aguardando um amigo vir aqui em casa para tomar um mate. Vários vereadores já estavam acordados e responderam bom dia.

No entanto, para o juiz não ficou claro que o vazamento partiu de Mauro Lino. Nas conversas trocadas com Olarte, ele sempre cita um amigo, que tinha as informações e as repassava. A investigação não decifrou quem seria o amigo.

Outro ponto que livrou o oficial foi uma mensagem enviada pela então primeira-dama Andréia Olarte (MDB), na qual alertava o marido para tomar cuidado e que ele usou para pedir a Mauro para vigiar o Tribunal de Justiça.

Na audiência de instrução, o oficial de Justiça não escondeu o nervosismo, não ofereceu respostas coerentes e ainda entrou em contradição com Olarte, conforme o juiz. O oficial disse que mantinha contato com o ex-prefeito para pedir cesta básica e tratar assuntos administrativos da igreja Assembleia de Deus Nova Aliança, fundada por Olarte. O ex-prefeito negou que tratasse desses assuntos com Lino.

Considerado o texto acima transcrito e também a gravidade dos fatos ocorridos, num cenário em que o exercício do cargo de prefeito conferia ao requerido a falsa percepção de que poderia fazer o que quisesse, inclusive o de violar o sigilo imposto a um processo por decisão de um desembargador do Tribunal de Justiça, tenho que a perda de eventual cargo que esteja exercendo quando transitar em julgado esta sentença, a suspensão dos direito políticos do requerido por 04 anos e o pagamento de multa civil no valor de R$ 100.000,00 satisfazem os requisitos da lei, conclui o magistrado.

A sentença já vem causar mais um desgaste ao ex-prefeito. A ação por ocultação de bens e lavagem de dinheiro está na fase das alegações finais. O juiz Roberto Ferreira Filho, da 1ª Vara Criminal, poderá publicar a sentença até o início do segundo semestre.

Com os direitos políticos suspensos, porque já foi condenado em segunda instância por corrupção passiva, Olarte aposta na esposa Andréia Olarte que também já esteve presa. Agora conta com respaldo do ex-governador André Puccinelli (MDB) para ser candidata nas eleições deste ano.
Com informações do O Jacaré


vacina sim

Deixe seu Comentário

Leia Também

Semana começa com restrições em 43 cidades do MS; confira o que pode e não pode
Mato Grosso do Sul
Última semana de outono será de tempo firme e temperaturas agradáveis em MS
UEFA Euro 2020
Veja a repercussão dos jornais internacionais do mal súbito de Eriksen em Dinamarca x Finlândia
Campo Grande
Com 43 municípios em risco extremo, começa a valer nova classificação do Prosseguir
Tempo e temperatura
Domingo de tempo firme e temperaturas agradáveis em Mato Grosso do Sul
Geral
5 flores para plantar em junho e deixar seu jardim mais colorido
Mato Grosso do Sul
Secretaria de Estado de Saúde transfere mais quatro pacientes para São Bernardo do Campo nesta sexta-feira
Geral
Ford: R$ 10 milhões pelo ralo diariamente
Octógono
Douglas Lima é dominado por ucraniano e perde cinturão do Bellator
Tempo e temperatura
Tempo contribui para clima agradável com sol e friozinho no dia dos namorados