Menu
Busca Sex, 04 de dezembro de 2020
(67) 9.9928-2002
Política

Maia e Alvaro Dias articulam aliança para isolar PSDB- MDB

Por Carol Assis
Com desempenho aquém do esperado nas pesquisas, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o senador Alvaro Dias (Podemos-PR) começaram a discutir uma possível aliança na disputa presidencial deste ano. O objetivo é construir uma coligação de centro em torno da candidatura de um deles e, dessa forma, tentar isolar PSDB e MDB, que negociam uma possível coligação em torno do ex-governador tucano Geraldo Alckmin.

Os presidenciáveis têm conversado por meio de interlocutores e já se encontraram pelo menos uma vez nas últimas semanas para tratar do assunto. No final de abril, eles almoçaram na residência oficial da Presidência da Câmara. Também participaram do encontro a presidente do Podemos, deputada Renata Abreu (SP), e dos deputados Rodrigo Garcia (DEM-SP) e Mendonça Filho (DEM-PE), coordenadores da pré-campanha do democrata.

No almoço, Maia e Álvaro concordaram que os partidos de centro precisam se unir, pois, do contrário, nenhum de seus representantes sequer chegará ao segundo turno da disputa presidencial. Os dois, porém, avaliaram que o cabeça dessa chapa 
e centro não pode ser Alckmin, que, como mostrou o Estadão/Broadcast, começou a negociar nas últimas semanas aliança que pode culminar com o ex-ministro Henrique Meirelles (MDB) como seu vice.


No DEM, a avaliação é de que Alckmin representa um "produto velho" e trará para sua candidatura todo o desgaste do governo Michel Temer, se tiver um emedebista de vice. A aliados, Maia diz que erra quem aposta que a campanha se coconcentrará na polarização entre o ex-presidente Lula (PT), que está preso e inelegível, e o deputado Jair Bolsonaro (PSL-RJ). Para ele, o foco acabará sendo o governo Temer. Por isso, é preciso manter um distanciamento.

Já para o grupo de Dias, uma chapa PSDB-MDB poderá favorecer o senador, na medida em que permitirá uma polarização dentro do próprio campo do centro. "Seria o mundo ideal para nós. De um lado, estariam eles com a chapa Lava Jato.Do outro estaríamos nós", afirmou a presidente nacional do Podemos ao Estadão/Broadcast.

Integrantes da cúpula do DEM e do Podemos já admitem que poderão abrir mão de serem os cabeças de chapa para apoiarem um ao outro. A ideia é que o candidato seja o que esteja melhor posicionado em julho. Para democrata,Dias pode ser enquadrado como "produto novo" e tem potencial para deslanchar; só precisa de apoio partidário. No último Datafolha, o senador oscilou entre 3% e 5%.

A presidente do Podemos também diz que Álvaro pode desistir, caso Maia esteja melhor. "Se houver acordo nesse sentido, topamos. Temos tempo para buscar a convergência", disse Renata Abreu. O presidente da Câmara, contudo, ainda patina nas pesquisas, o que faz com que sua candidatura seja desacreditada até mesmo por correligionários próximos. No Datafolha divulgado em abril, ele apareceu com 1% das intenções de voto.

Maia também tenta atrair para esse grupo outros partidos de centro que já lançaram pré-candidatos ou sinalizaram apoio a outros postulantes. Ele intensificou as conversas com o PTB, partido cujo presidente, o ex-deputado Roberto Jefferson, defende apoio da sigla a Alckmin. Com isso, ele conseguiu, por exemplo, que o PTB não aprovasse indicativo de apoio à candidatura do ex-governador durante sua convenção em abril, como o tucano desejava.

O presidente da Câmara também tem mantido conversas com o PRB, que lançou o empresário Flávio Rocha, dono das lojas Riachuelo, como pré-candidato ao Planalto. As conversas se dão diretamente com o presidente do partido, o ex-ministro Marcos Pereira. Além dessas legendas, o grupo de Maia diz já contar com apoio de outros partidos do centro, entre eles, PP e Solidariedade, que lançou o ex-ministro Aldo Rebelo como presidenciável.

Com a ofensiva sobre esses partidos, Maia busca se tornar o principal fiador das negociações eleitorais no centro, mesmo que não seja em torno de sua candidatura. Mesmo com 1%, o presidente da Câmara já definiu o slogan de sua de sua campanha:
"Vamos Recomeçar o Brasil". O "conceito-chave" foi concebido pelo publicitário Fabiano Ribeiro, da Propeg. Ele está atuando na equipe de marketing de pré-campanha de Maia ao lado do jornalista Lula Costa Pinto.
violência contra a mulher 2

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Senado aprova PL sobre prioridade de vacinação da covid-19
Esporte
Russell substituirá Hamilton na Mercedes no GP do Sakhir
Alerta
Com avanço da Covid, Mato Grosso do Sul registra média de mil casos por dia
Campo Grande
Prosseguir: Governo volta a registrar municípios em grau de risco extremo
Saúde
Agências do Detran em Ladário e Mundo Novo suspendem atividades por suspeita de Covid-19 entre servidores
Política
Agehab notifica mutuários de Nova Andradina por inadimplência
Brasília
Senado inclui organizações sociais na suspensão de cumprir metasEu
Esporte
Barcelona deveria ter vendido Messi, diz presidente interino
Campo Grande
Estadual de Futebol 2020: empate por 1 a 1 garante classificação do Operário à semifinal
Campo Grande
Especialistas veem na energia fotovoltaica oportunidades para desenvolvimento na agricultura familiar