Menu
Busca Ter, 22 de setembro de 2020
(67) 9.9928-2002
Supremo

Mais seis inquéritos envolvendo Aécio no STF devem retornar para a 1ª instância

09 maio 2018 - 14h06Por Redação Notícias VIP
A restrição do foro privilegiado para parlamentares deve tirar do Supremo Tribunal Federal seis dos nove inquéritos a que responde na corte o senador Aécio Neves (PSDB-MG). Esses casos tendem a seguir o destino do Inquérito 4392, remetido ontem (8) à Justiça de Minas Gerais pelo ministro Alexandre de Moraes, relator do procedimento, porque se referem a atos atribuídos ao tucano quando ele era governador do estado.

Pela nova interpretação do Supremo, continuarão no Supremo apenas as investigações que dizem respeito a crimes ocorridos no exercício do mandato e que, com ele, guardem relação.

O inquérito enviado por Alexandre de Moraes à Justiça de Minas Gerais apura fato ocorrido em 2007, início do segundo mandato de Aécio como governador. Delatores da Odebrecht acusam o senador de ter organizado um esquema para fraudar processos licitatórios, mediante organização de um cartel de empreiteiras, na construção da Cidade Administrativa, em troca de propina. A construção da Cidade Administrativa, que reúne órgãos da administração estadual, também rendeu outro inquérito a Aécio. Esse caso envolve a Wanmix, construtora mineira que forneceu concreto para a obra mais cara da gestão de Aécio no governo de Minas Gerais, que custou R$ 2,1 bilhões.

O destino de cada inquérito será definido pelo respectivo relator. Quatro deles estão nas mãos do ministro Gilmar Mendes. Mas ao menos três acusações remetem ao período em que Aécio já era senador e podem, em tese, continuar no Supremo. Os ministros vão analisar se há relação entre as suspeitas e o exercício do mandato. Entre esses casos, está a denúncia feita pelo empresário Joesley Batista, delator da JBS, de que o senador lhe pediu R$ 2 milhões e prometeu se movimentar para atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato. Aécio já é réu nesse processo, que também envolve sua irmã Andrea Neves, seu primo Frederico Pacheco e o ex-assessor parlamentar Menderson Souza. Essa acusação resultou no afastamento temporário dele do mandato e na prisão de Andrea, Frederico e Menderson. Aécio alega inocência (veja abaixo a íntegra da resposta do senador).

Veja as investigações que envolvem Aécio:

Inq-4244 - Corrupção e lavagem de dinheiro
Os fatos investigados estão relacionados a informações prestadas em acordo de colaboração premiada de Alberto Youssef e do ex-senador Delcídio do Amaral, os quais acusam Aécio de ter exercido influência sobre Furnas e recebido valores mensais, por intermédio de sua irmã, de empresas contratadas pela empresa de economia mista, entre os anos de 1994 e 2001. Pode baixar. O relator é o ministro Gilmar Mendes.

Inq-4246 - Lavagem de dinheiro
A investigação apura a suspeita de que o então governador mineiro atuou para maquiar dados da CPI mista dos Correios, em 2005, e esconder a relação entre o Banco Rural e o chamado mensalão mineiro. A acusação foi feita pelo ex-presidente da comissão, o ex-senador cassado Delcídio do Amaral. Pode baixar. O relator é o ministro Gilmar Mendes.

Inq-4392 - Investigação penal
O inquérito apura fato ocorrido no início de 2007, quando Aécio, recém-empossado para o segundo mandato de governador de Minas Gerais, teria organizado esquema para fraudar processos licitatórios, mediante organização de um cartel de empreiteiras, na construção da ?Cidade Administrativa? (ou ?Centro Administrativo?) de Minas Gerais, com o escopo último de obter propinas decorrentes dos pagamentos das obras. Enviado à Justiça de Minas Gerais pelo ministro Alexandre de Moraes.

Inq-4414 - Investigação penal
Segundo o Ministério Público, delatores da Odebrecht relataram que, em 2010, pagaram, a pedido de Aécio, vantagens indevidas a pretexto de campanha eleitoral de Anastasia ao governo de Minas. Pode baixar. O relator é o ministro Gilmar Mendes.

Inq-4423 - Investigação penal
Apura o pagamento de vantagens indevidas e propinas, a pedido de Aécio, em 2008, para a sua campanha e para a do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), do ex-deputado Pimenta da Veiga (PSDB-MG) e do então deputado Dimas Fabiano Toledo Júnior (PP-MG). Pode baixar. O relator é o ministro Ricardo Lewandowski.

Inq-4436 - Investigação penal
A investigação envolve a Wanmix, construtora mineira que forneceu concreto para a construção da Cidade Administrativa, obra mais cara da gestão de Aécio no governo de Minas Gerais. A obra custou R$ 2,1 bilhões e foi citada em delações premiadas como origem de repasses de propina para o tucano. A empresa também forneceu concreto para as usinas de Santo Antônio, Jirau e Belo Monte. Pode baixar. O relator é o ministro Edson Fachin.

Inq-4444 - Investigação penal
É suspeito de ter recebido ilegalmente dinheiro da Odebrecht para sua campanha à Presidência nas eleições de 2014. O senador é acusado de receber ao menos R$ 3 milhões para sua campanha eleitoral por meio de um contrato de fachada da Odebrecht com a PVR Propaganda e Marketing. Ele estava no exercício do mandato de senador, caberá ao relator analisar se há relação entre os repasses e o cargo. O relator é o ministro Gilmar Mendes.

Inq-4506 ? Corrupção e obstrução de Justiça
O senador, sua irmã, Andrea Neves, seu primo, Frederico Pacheco e Mendherson Souza Lima, ex-assessor do senador Zezé Perrella (MDB-MG), viraram réus. O caso, porém, ainda não foi reautuado como ação penal. Aécio é acusado de pedir propina de R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista, dono da J&F, em troca de favores políticos e também de tentar atrapalhar o andamento da Operação Lava Jato. O relator é o ministro Marco Aurélio Mello.

Inq-4519 ? Corrupção e lavagem de dinheiro
Investiga outro trecho da delação de Joesley Batista, desta vez, sobre outros pagamentos indevidos ao tucano. Joesley afirma que Aécio recebeu R$ 60 milhões em 2014 quando disputou a Presidência. Segundo o empresário, o tucano voltou a pedir dinheiro no ano seguinte. O delator afirma que, no episódio, a JBS fez a compra de um prédio por R$ 17 milhões para gerar pagamento de propina ao tucano. Ele estava no exercício do mandato de senador, mas, como a acusação não tem vínculo direto com o cargo, pode baixar, a depender do entendimento do relator, o ministro Marco Aurélio Mello.
RACISMO NÃO!

Deixe seu Comentário

Leia Também

Paranaíba
Homem espanca mulher, em via pública, é visto por policial, que dá volta no quarteirão e prende o agressor
Brasíl
Nem Moro, Nem Azevedo, Nem Bolsonaro e nem Marito , eles todos não conseguiram dar garantias de segurança na fronteira" disse jornalista paraguaio.
Brasilia
Ao STF, Aras diz que decisão sobre reeleição de comandos da Câmara e Senado é assunto interno
Brasíl
Brasil acumula 4,55 milhões de casos e 137,2 mil mortes por covid-19
Rio Verde de Mato Grosso
Prefeito se envolve em confusão e foi filmado onde um outro homem aparece com arma na mão.
Brasíl
Agência Brasil explica o que é o Sistema S
Brasíl
Trabalhadores nascidos em dezembro recebem hoje crédito do FGTS Pagamento é feito por meio da conta poupança digital da Caixa
Brasíl
Fantástico: incêndio no Pantanal , investigação da PF e imagens de satélite indicam que a tragédia começou em 4 fazendas pertencente ao homem bomba da corrupção em Mato Grosso do Sul
Brasíl
Estudo da FGV aponta que pandemia provocou queda de renda de 20,1%
Nova Andradina
PRF apreende mais de 300 quilos de maconha dentro de veículo Renault, tipo scénic e prende traficantes no interior do MS