Menu
Busca Qui, 23 de setembro de 2021
(67) 9.9928-2002
São Paulo

Manifestantes fazem ato na Av. Paulista a favor de Bolsonaro

Apoiadores do presidente participaram nesta terça (7) de ato com pautas antidemocráticas e ameaças a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e ao Congresso. Maioria dos manifestantes descumpriu obrigatoriedade do uso de máscara no estado de SP. Duas p

07 setembro 2021 - 15h00Por G1

Manifestantes fizeram ato na Avenida Paulista, na região central de São Paulo, nesta terça-feira (7), feriado da Independência no Brasil, a favor do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Com pautas antidemocráticas, os apoiadores são contra os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e o Congresso Nacional e também pedem intervenção militar. Bolsonaro discursou na Paulista e afirmou que não vai mais cumprir as decisões do ministro Alexandre de Moraes. Em Brasília, o presidente também fez ameaça golpista ao Supremo em discurso para apoiadores.

Cerca de 14 quarteirões da Avenida Paulista foram ocupados, com maior concentração em frente ao Masp e à Fiesp. Duas pessoas foram presas por furto de celular, dez aparelhos foram recuperados, uma pessoa foi ferida por um drone não autorizado, uma pessoa foi detida por porte de arma branca e a outra por levar sinalizadores e fogos de artifício proibidos.

 

 

Vestidos com camisetas do Brasil, e portando materiais alusivos ao presidente e às cores da bandeira do país, a maioria dos manifestantes participou do ato sem respeitar as regras de distanciamento social e o uso obrigatório de máscara, determinados pelo governo do estado desde 2020 por conta da pandemia de coronavírus.

O governo de São Paulo informou que fiscalizou o uso de máscaras, mas não informou se vai fazer um balanço das autuações.

Os atos desta terça-feira (7) convocados por Jair Bolsonaro acontecem em meio a embates do presidente com o STF, e em um contexto de uma acentuada crise econômica, com a disparada da inflação, desemprego próximo a taxas recorde e queda na popularidade e nas avaliações sobre a administração de Bolsonaro.

Os manifestantes seguravam cartazes com dizeres contra a imprensa, o STF e pedindo "pelo fim do comunismo". "Presidente Bolsonaro, acione as forças armadas e liberte nosso Brasil do comunismo", dizia uma das faixas.

Outros cartazes pediam a demissão dos ministros do Supremo Luiz Fux e Ricardo Lewandowski.

As ameaças golpistas e ataques a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) fazem parte de uma narrativa que vem sendo defendida e reafirmada pelo presidente há semanas, com maior intensidade às vésperas do feriado.

 

Por volta de 12h30, outro grupo de apoiadores do presidente protestou, de carro e motos, na Ponte Estaiada, na Zona Sul de São Paulo. Eles ocuparam duas faixas da via.

Nos últimos dias, o presidente defendeu a presença de policiais militares nas manifestações. O G1 não presenciou um grande número de pessoas fardadas. A presença de grupos evangélicos era maior.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Eleição 2022
Senado aprovou novo Código Eleitoral e vai à sanção presidencial.
Economia
Dólar fecha acima de R$ 5,30 após anúncio do Banco Central americano
CPI da Covid
CPI: diretor da Prevent Senior é acusado de mentir e passa à condição de investigado
Brasíl
Sem coligações, CCJ do Senado aprova PEC da reforma eleitoral
Polícia Federal
A Operação Apate cumpre mandados em São José dos Campos
Brasilia
CPI da Covid-19; início da sessão com "rasgação de seda" entre senadores da oposição tentando reverter a impressão negativa da briga causada por senadora e ministro
Brasília
Briga na CPI: presidente da CPi fala que Bolsonaro causa vergonha, senador Marcos Rogério rebate dizendo que a CPI da Covid que faz vergonha a muito tempo.
Tempo e temperatura
Primavera começa com tempo claro e ensolarado em Mato Grosso do Sul
Brasília
CPI termina com sessão em briga, agressão verbal entre senadores e Ministro da CGU.
CPI no Senado Federal
A diferença de pensamento entre os Ministros do STF, Carmen, Nunes Marques e Rosa Weber.
Ministros divergem sobre obrigação de convocados à CPI da Covid