Menu
Busca Dom, 19 de janeiro de 2020
(67) 9.9928-2002
Negócios

Marun usa cargo para divulgar empresa da mulher nos países árabes, denuncia revista

10 abril 2018 - 10h37Por Redação Notícias VIP
Nova denúncia envolve o ministro Carlos Marun, chefe da Secretaria de Governo e considerado "pit bull" do presidente Michel Temer (MDB). Reportagem da revista Época o acusa de usar o cargo para divulgar a empresa da sua mulher, arquiteta e advogada Luciane Garcia Marun, que é especializada na assessoria de negócios com os países árabes.

Em três meses, desde janeiro deste ano, Marun teve sete encontros oficiais com autoridades do Kuwait, Líbia, Tunísia, Iraque e Líbano. Na semana passada, acompanhou o presidente da República no Fórum Econômico Brasil - Ppaíses Árabes, realizado em São Paulo.

A coincidência revelada por Época é que os objetivos de Marun se confundem com os da Bropp (Brazilian Opportunities Assessoria Empresarial), situada no Jardim dos Estados, em Campo Grande, que pertence à sua esposa.

Só para ficar mais claro, o antecessor do sul-mato-grossense no cargo, o deputado federal Antônio Imbassay (PSDB/BA), não recebeu nenhuma comitiva do mundo árabe em quase um ano.

Luciane constituiu a empresa Luana Assessoria de Crédito Empresarial em 2009. Somente no segundo semestre de 2016, após o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), ela decidiu transformá-la em BROPP.

No dia 1º de agosto de 2016, Marun teve reunião com o embaixador dos Emirados Árabes, Khalid Khalifa, e estava acompanhado, adivinhe, do então diretor comercial da empresa de Luciane, Luiz Alberto Sperotto. Só que o diretor da companhia foi apresentado como "economista" no Facebook do ministro.

Ainda exercendo o cargo de deputado federal, Marun fez duas viagens em missão oficial ao Oriente Médio. A primeira foi no Líbano.

A segunda ocorreu de 18 a 23 de dezembro de 2016, quando se reuniu com potenciais investidores no Brasil em Abu Dahai e Dubai, nos Emirados Árabes, e Doha, no Catar. Acompanhado pelo  novo diretor da BROPP, Mário Fernando Calheiros, Marun se reuniu com o CEO do banco SG Morgan, Shaun G. Morgan. Ele confirmou à revista que o encontro foi agendado pelo diretor da empresa de Luciane.

Aqui vale o parêntese para dar detalhes da vida do banqueiro. Conforme Época, Shaun foi condenado em duas ocasiões. A primeira foi na Suíça por fraudes de US$ 30 milhões (R$ 102 milhões, na cotação de ontem).

A segunda condenação ocorreu nos Estados Unidos, onde ele foi condenado por dirigir banco falso e usar cheques falsos para comprar 40 propriedades. Após cumprir a pena, Shaun G. Morgan, que viu potenciais investimentos no Brasil nas negociações com Marun, foi deportado para Nova Zelândia.

Marun contou à Época que o encontro com o CEO do banco SG Morgan não evoluiu. Criada há quase dois anos, a BROPP ainda não tem clientes, conforme o ministro.

Luciane fez questão de destacar que "não faz nada com empresa pública".

A professora de Direito da Fundação Getúlio Vargas, Silvana Battim, entrevistada pela revista, vê a prática de crime nas ações do ministro. Na sua avaliação, Marun estaria cometendo os crimes de improbidade administrativa e peculato.

Nesta segunda-feira, a Comissão de Ética da presidência da República anunciou a abertura de procedimento para investigar o ministro.

Um dos heróis da multidão que foi às ruas pedir o impeachment da presidente Dilma, Marun não será candidato nas eleições deste ano. Ele aposta que ficará na chuva, expressão popular que significa sem cargo público, por dois meses.


O emedebista aposta que terá lugar cativo na administração pública em 2019. A principal aposta é na eleição do ex-governador André Puccinelli (MDB), réu na Operação Lama Asfáltica, que disputa o governo estadual pela terceira vez. A segunda é um aliado de Temer - acusado de chefiar organização criminosa, corrupção passiva e obstrução da Justiça - ganhar a presidência em outubro e garantir uma "boquinha" ao "pit bull", que fez fama ao garantir a defesa até o fim do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (MDB), condenado a 14 anos de corrupção e preso em Curitiba.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Evangélicos Bolsonaro
Pastor evangélico é um dos agressores de manifestantes que protestavam contra Damares em São Carlos (SP)
São Gabriel do Oeste
Marido mata adolescente mãe de bebê
Dourados
Peladão correndo pela Presidente Vargas
Fronteira
A fuga se deu na madrugada de domingo através de buraco escava pelos membros do PCC
Brasil
A lei de Abuso de Autoridade trouxe mudanças importantes às quais todos deverão se adaptar
Campo Grande
"O prefeito e os vereadores de Campo Grande são omissos." reclamam os moradores de Campo Grande
Amanbai
DOF recupera carro roubado por marginal
Anastácio
Fiat encontrado dentro de córrego nesta manhã
Internacional
Vírus de origem chinesa pode ter infectado mais de mil de pessoas
Bela Vista
Pistoleiros assassinam dois politicos na fronteira