Menu
Busca Dom, 26 de setembro de 2021
(67) 9.9928-2002
Política

Mato Grosso do Sul elege cinco prefeitas e 164 vereadoras

17 novembro 2020 - 10h00Por N.V.

A representatividade feminina na política vem crescendo em Mato Grosso do Sul. Nestas Eleições Municipais, 164 mulheres ocuparão cadeiras nas câmaras de vereadores em todo o Estado. O número representa 58% a mais que nas eleições de 2016, quando 110 mulheres tinham sido eleitas.

Muito embora no poder legislativo a representatividade das mulheres tenha aumentado, houve redução no número de mulheres que comandará o executivo municipal nos próximos quatro anos: nas eleições de 2016 foram 7 eleitas, nesse anos apenas 5 mulheres comandarão as Prefeituras Municipais, o que representa uma redução de aproximadamente 28,5%.

A prefeita mais votada foi em Fátima do Sul. Ilda Machado (PSD) teve 7.027 votos, que correspondem a 60,18% dos votos válidos. A segunda que recebeu mais votos foi a prefeita de Corguinho Marcela Ribeiro Lopes (PSDB), eleita com 1.856 votos (59,01% dos votos válidos. Gerolina (PSD) foi eleita em Água Clara, com 3.605 votos (42,25% dos votos válidos). Em Naviraí, Rhaiza Matos (PSDB) teve 8.873 votos (36,49% dos votos válidos) e em Jardim a Dra Clediane (MDB) foi eleita com 4.608 votos (37,08% dos votos válidos).

Com relação ao cargo nas câmaras municipais, Três Lagoas teve 5 vereadoras eleitas, Amambai – que antes tinha apenas uma vereadora, passa a contar com 4 mulheres na Câmara de Vereadores, mesmo número de Sidrolândia e de Coronel Sapucaia, município que já tem tradição de eleger mulheres.

Dos 79 municípios sul-mato-grossenses, apenas 6 não terão nenhuma vereadora na próxima legislatura, são eles: Aquidauana, Batayporã, Camapuã, Maracaju, Pedro Gomes e Sete Quedas.

Para a Subsecretária de Estado de Políticas Públicas para Mulheres, Luciana Azambuja, um dos motivos para o aumento expressivo do número de mulheres eleitas é o trabalho de conscientização, com capacitações realizadas por meio de workshops pela SPPM. “Um dos eixos de atuação da Subsecretaria é o fortalecimento e participação das mulheres nos espaços de poder e decisão, temos buscado atuar de forma suprapartidária em todas as nossas ações, o resultado nas urnas reflete um anseio da população por maior representatividade na política e as mulheres a cada dia tem conquistado seu espaço e temos sim que comemorar esse aumento de vereadoras nos parlamentos municipais”, ponderou a subsecretária.

Outro fator relevante para a garantia de mais espaços das mulheres nas prefeituras está associado às cotas. Pela primeira vez, além dos 30% das vagas para se candidatar serem reservadas a elas, os 30% dos fundo eleitoral e partidário também ajudaram a fortalecer as campanhas das concorrentes.

Ainda de acordo com o TSE, em 2020, 33,15% das candidaturas foram de mulheres e, apesar de representarem 52,5% do eleitorado brasileiro, as mulheres representam apenas 45,3% das filiações partidárias.

O ano de 2020 já ficou marcado na história política do Estado pelo expressivo número de mulheres eleitas, espera-se que o feito se consolide e que nas próximas eleições tenhamos ainda “Mais mulheres na política e mais políticas para mulheres”. 

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Campo Grande
Croquete de mandioca com carne: petisco saboroso e prático
Politicos
Vai vendo Brasil!
Religiosos
Padre é preso por desviar dinheiro da igreja para orgias gays e drogas
Brasil e Mundo
Covid-19: Brasil registra 19,4 mil casos e 699 mortes em 24h
Justiça
STF decide se os estados devem pagar hospitais pela tabela SUS
Geral
Anatel aprova leilão da exploração do acesso móvel na tecnologia 5G
Inclusão
Índice reúne dados sobre a inclusão de brasileiros com deficiência
Campo Grande
Preso em ação contra corrupção em MS era o 'braço direito' do ex-prefeito e 'quem assinava os cheques', diz polícia
Operação Policial
Polícia Federal faz operação para combater fraude no INSS do Amazonas
Campo Grande
Ameaça de delação de Gilmar Olarte causa 'espanto', afirma procurador-chefe do MP