Menu
Busca Ter, 03 de agosto de 2021
(67) 9.9928-2002
Brasília

Mourão volta a defender nova CPMF com destino específico

17 julho 2020 - 16h00Por Redação

 O vice-presidente Hamilton Mourão voltou a defender nesta sexta-feira a discussão sobre a recriação de um imposto sobre transações financeiras, um novo tipo de CPMF, desde que o novo imposto tenha uma destinação específica, como desoneração da folha ou programas de renda mínima.

Em entrevista à rádio Gaúcha, Mourão afirmou que, além da proposta do ministro da Economia, Paulo Guedes, de usar esse novo imposto para desonerar a folha de pagamentos, ele acredita que a arrecadação com o tributo possa também ser uma complementação para o programa de renda mínima que o governo planeja criar.

“O que eu vejo na criação desse imposto de transações financeiras é que ele deve ter um fundamento muito claro. O ministro Paulo Guedes coloca como um substituto da desoneração da folha. Ao desonerar a folha haveria uma oportunidade muito maior da criação de empregos formais. Eu vejo ainda mais além, acho que ele pode ser utilizado o programa de renda mínima, o Renda Brasil, que vem sendo montado aqui pelo governo”, disse Mourão.

 

O novo imposto está na proposta de reforma tributária que Guedes prometeu enviar até semana que vem ao Congresso e não é bem visto pelos parlamentares e, na verdade, nem pelo presidente Jair Bolsonaro, que não quer seu governo associado à volta da CPMF.

Mourão, no entanto, vem se associando à equipe econômica e defende que não se pode evitar o debate, que deve ser feito no Congresso.

“A discussão é dentro do Congresso. Se o Congresso aceitar, significa que a sociedade aceita. Se não aceitar, paciência”, afirmou.

 

Mourão disse ainda que deve ficar claro que o governo não está simplesmente criando um novo imposto, mas seria uma substituição e que se for para desonerar a folha de pagamento das empresas, acha justo. Mourão defendeu ainda que é preciso tributar uma série de operações financeiras eletrônicas que hoje estão a salvo de impostos.

O vice-presidente já havia feito nesta semana a avaliação de que este tipo de tributo, com uma alíquota baixa, e vinculada à desoneração da folha e a um programa de renda mínima poderia ter apoio entre os parlamentares.

Por Reuters

news

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mato Grosso do Sul
Inscrições prorrogadas para a segunda edição do Prêmio Inova
Oportunidade
Estão abertas as inscrições para curso de idiomas na UEMS
Brasília
PP não vai aceitar filiação de Bolsonaro
Dourados
Agesul retira mais de 800 toneladas de lixo das margens da MS-156 em Dourados
Interior
SubsRacial leva Campanha Julho das Pretas a Rochedo, com temas de saúde e educação
Mato Grosso do Sul
Temperaturas voltam a subir e ar seco segue predominando nesta quarta-feira
Mato Grosso do Sul
Governo investe R$ 5,8 milhões na pavimentação da MS-455, criando novo acesso a Capão Seco
Interior
Corpo de Bombeiros monitora incêndios com imagens de satélite e amplia fiscalização em áreas de focos
Campo Grande
Até quando a massa de ar frio polar vai atuar em Mato Grosso do Sul?
Esportes
Hoje é Dia: nota 10 de Comaneci e Dia do Futebol marcam semana