Menu
Busca Sáb, 24 de julho de 2021
(67) 9.9928-2002
POLITICA

“Não se dá tiro na nuca do seu soldado”, diz Bebianno sobre Bolsonaro

O ministro-chefe afirmou estar impressionado com o fato de o presidente apoiar as investidas do filho, Carlos Bolsonaro

14 fevereiro 2019 - 15h15

O secretário-geral da Presidência, Gustavo Bebianno, demonstrou em conversa com interlocutores forte mágoa com as investidas do presidente Jair Bolsonaro (PSL) e do filho Carlos Bolsonaro (PSC-RJ). As informações são do G1.

“Não se dá um tiro na nuca do seu próprio soldado. É preciso ter um mínimo de consideração com quem esteve ao lado dele o tempo todo”, disse Bebianno em uma conversa com pessoas próximas a ele.

No último domingo (10/2), Bebianno foi acusado de liberar R$ 400 mil de dinheiro público para uma candidata laranja de Pernambuco, Maria de Lourdes Paixão. Ela concorreu à vaga de deputada federal, mas recebeu apenas 274 votos e não conseguiu se reeleger.

Segundo o relato a colegas, o ministro-chefe está impressionado com o fato de o presidente apoiar os argumentos do filho e vereador do Rio. “Não vou sair escorraçado pela porta dos fundos”, relatou, em uma demonstração de que, se Bolsonaro quiser demiti-lo, terá de assumir o desgaste público ao mandar embora um auxiliar com pouco mais de um mês de governo. O secretário-geral garantiu que não pretende pedir demissão.

Bebbiano voltou a reafirmar aos interlocutores que manteve contato com Jair Bolsonaro durante o período de internação do presidente, no hospital Albert Einstein. Disse ainda que a conversa está registrada não só nas mensagens enviadas do celular, mas nas recebidas do próprio chefe do Executivo.

O ministro foi um dos coordenadores de campanha de Bolsonaro e presidiu o PSL, partido do presidente, em 2018 e durante toda a corrida eleitoral. Bebianno só deixou o posto depois de ter sido nomeado para o atual cargo político.

Por fim, o ministro ressaltou que o PSL nacional não cuida de candidaturas estaduais, além de achar estranha a hipótese de o atual presidente do partido, Luciano Bivar, ter feito algo irregular, principalmente por ter boa condição financeira.

Bebbiano voltou a reafirmar aos interlocutores que manteve contato com Jair Bolsonaro durante o período de internação do presidente, no hospital Albert Einstein. Disse ainda que a conversa está registrada não só nas mensagens enviadas do celular, mas nas recebidas do próprio chefe do Executivo.

O ministro foi um dos coordenadores de campanha de Bolsonaro e presidiu o PSL, partido do presidente, em 2018 e durante toda a corrida eleitoral. Bebianno só deixou o posto depois de ter sido nomeado para o atual cargo político.

Por fim, o ministro ressaltou que o PSL nacional não cuida de candidaturas estaduais, além de achar estranha a hipótese de o atual presidente do partido, Luciano Bivar, ter feito algo irregular, principalmente por ter boa condição financeira. Com informações, Metrópoles.

violência contra a mulher

Deixe seu Comentário

Leia Também

Dourados
Agesul retira mais de 800 toneladas de lixo das margens da MS-156 em Dourados
Interior
SubsRacial leva Campanha Julho das Pretas a Rochedo, com temas de saúde e educação
Mato Grosso do Sul
Temperaturas voltam a subir e ar seco segue predominando nesta quarta-feira
Mato Grosso do Sul
Governo investe R$ 5,8 milhões na pavimentação da MS-455, criando novo acesso a Capão Seco
Interior
Corpo de Bombeiros monitora incêndios com imagens de satélite e amplia fiscalização em áreas de focos
Campo Grande
Até quando a massa de ar frio polar vai atuar em Mato Grosso do Sul?
Esportes
Hoje é Dia: nota 10 de Comaneci e Dia do Futebol marcam semana
Saúde
Covid-19: Brasil soma 541,2 mil mortes e vai a 19,3 milhões de casos
Violência
Em vídeo exclusivo, DJ Ivis pede perdão a Pamella e a todas mulheres
Tempo
Ela vem: frente fria vai derrubar temperaturas para menos de 3ºC e causar geada em MS, diz previsão