Menu
Busca Qui, 23 de maio de 2019
(67) 9.9928-2002
POLÍTICA

Onyx compara bloqueio no MEC a churrasco e 'cervejinha' do fim de semana

Ministro da Casa Civil disse que houve 'confusão' de parlamentares entre 'contingenciamento' e 'corte'

15 maio 2019 - 16h00

Um dia depois de líderes partidários da Câmara deixarem uma reunião com o presidente Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto relatando que ele fez um telefonema para pedir a suspensão do bloqueio de recursos no Ministério da Educação (MEC), o chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse nesta quarta-feira que "houve uma confusão entre o que é contingenciamento e o que é corte ". Para explicar a medida, o ministro fez uma comparação com um pai de família que precisou cortar o churrasco e a "cervejinha do final de semana" para comprar o vestido de 15 anos da filha.

— O que o governo está fazendo é contingenciamento, que é guardar, é poupar. É que nem o pai que tem o salário, sabe que tem que comprar o vestido de 15 anos da filha lá em outubro, mas ele está em maio. Aí ele vai vendo o que está entrando e o que ele está gastando e diz "ih, pode ser que não dê, então eu não vou sair pra comprar um churrasco, não vai ter cervejinha no final de semana, eu não vou comprar um tênis pro João, porque lá eu tenho que comprar o vestido da Tereza". O que ele faz? Ele contingencia, ele protege, ele guarda o seu gasto — argumentou Onyx, em evento com dirigentes das empresas de rádio e TV de Santa Catarina, senadores e deputados federais, nesta manhã.

Logo depois de os deputados comunicarem à imprensa a iniciativa de Bolsonaro, na noite de terça, o governo negou que tenha recuado nos cortes. Estavam presentes os líderes do Patriota, Novo, Cidadania (PPS), PSL e PSC, entre outras legendas. De acordo com o líder do Podemos, José Nelto (GO), o presidente ligou para o ministro da Educação, Abraham Weintraub, e falou "não vamos cortar", acrescentando que não há necessidade de "fazer esse corte agora".

— Os parlamentares que têm universidades federais na sua base é normal, é natural, é desejável que eles lutem pelas suas universidades, que são importantes para as suas comunidades — declarou Onyx.

De acordo com o ministro da Casa Civil, o governo Bolsonaro está fazendo "uma atividade responsável". A fala ecoa nota divulgada pelo ministério na noite anterior: "Não procede a informação de que haverá cancelamento do contingenciamento no MEC. O governo está controlando as contas públicas de maneira responsável".

'Armadilhas'
Questionado sobre as dificuldades orçamentárias do Executivo, Onyx lembrou que o orçamento desse ano foi feito pelo governo anterior, e aprovado pela última legislatura.

— Nós temos uma dificuldade que no primeiro ano do nosso governo, o orçamento é feito pelo governo que saiu. Ali tinha uma série de pequenas armadilhas para desgastar o atual governo. E a gente foi competente, foi driblando as armadilhas, mas isso não quer dizer que a gente viva num mar de rosas — disse o ministro. — Nós estamos no rumo, vai demorar um tempinho, mas a gente vai consertar. Com informações, Globo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Aéreas criticam volta de bagagem gratuita; Idec diz que decisão do Congresso é positiva para o consumidor
Proposta que prevê gratuidade para bagagem de até 23 kg em voos domésticos ainda depende de sanção do presidente da República, Jair Bolsonaro.
INTERIOR
Nova Estação de Tratamento de Esgoto em Dourados deve entrar em pré-operação em junho
AMIZADE FORTE
Para celebrar 30 anos de amizade, idosas fazem tatuagem de ‘copo de cerveja’
FAMOSOS!
Padre Fábio de Melo sofre mal súbito, é levado às pressas para hospital e momento é exposto em vídeo
EXPLORAÇÃO INFANTIL
Crianças em desfile para serem adotadas: o que pode acontecer com elas?
PM tentou atrapalhar investigações sobre o assassinato de Marielle, aponta relatório da PF
INTERIOR
Caçamba que saiu de São Paulo e seguia para Vicentina pega fogo na MS-395 e chamas se espalham pela vegetação
INTERIOR
Casal é investigado por golpes contra idosos que somam mais de R$ 500 mil em Itaquiraí
SAÚDE
Em apenas cinco meses de 2019, dengue já matou em MS quatro vezes mais do que em todo 2018
CAPITAL
Polícia faz nova busca em local onde motorista de aplicativo foi morto: 'Foi um crime passional, agressivo e cruel'