Menu
Busca Sex, 22 de novembro de 2019
(67) 9.9928-2002
Justiça

Puccinelli e Baird viram réus em ação por contratação irregular da Itel

11 abril 2018 - 14h32Por Redação Notícias VIP
O ex-governador André Puccinelli (MDB) se tornou réu junto a outros seis em uma ação civil por improbidade administrativa movida pela força-tarefa do MP-MS (Ministério Público Estadual) desde janeiro de 2016 contra a contratação da Itel Informatica, incorporada pela Mil Tec Tecnologia, por parte do governo do Estado.

Entre os outros réus estão inclusos a Mil Tec, os ex-secretários de Estado de Fazenda, André Luiz Cance e Mario Sergio Maciel, o ex-superintendente de Gestão de Informação, Daniel Nantes Abuchaim, e proprietário da Mil Tec, João Baird.

A ação foi aceita pelo juiz de Direito Marcel Henry Batista de Arruda, recém empossado na 1´ª Vara de Direitos Difusos da Capital, na última sexta-feira (6), mais de dois anos depois de entregue.

Segundo os autos, a contratação da Mil Tec foi irregular por ter sido destinada a atividade-fim do Estado, burlando a regra do concurso público e colocando terceirizados para atuarem em lugar de servidores públicos. Os serviços foram contratados e prorrogados por 63 meses, ultrapassando o permitido pela Lei de Licitações, de 48 meses.

O ex-secretário de Fazenda Mário Maciel teria sido o responsável por assinar os termos aditivos ao contrato com a Mil Tec, celebrado em 2006, enquanto André Cance e Daniel Abuchaim, na época superintendentes, apresentavam as justificativas para a prorrogação da terceirização ilícita. Um outro contrato de R$ 23,8 milhões foi assinado em 2012 com a PSG Informática com a mesma finalidade, de acordo com o Ministério Público.

O MP-MS acusa Puccinelli de ter sido informado das irregularidades pelo Sindicato dos Profissionais de Processamento de Dados de Mato Grosso do Sul, porém ?anuiu com a perpetuação ilegal da terceirização dos serviços de tecnologia de informação do Estado?.

Defesa no MP-MS

No processo no MP-MS, Puccinelli alegou que não se tratava de crime de improbidade, e sim responsabilidade, e também se esvaiu da responsabilidade pelos aditivos e contratos, uma vez que não era governador em 2006 e não lhe cabia assinar as prorrogações.

Já Baird alegou que não há restrição legal para a terceirização de atividade fim no caso de serviços de informática, o que é estabelecido pelo Decreto Estadual n. 10.825 e pelo Decreto n. 2.271/1997, e que a contratação foi regular dentro da Lei de Licitações.

Mário Maciel e Daniel Abuchaim alegaram também que houve intromissão do MP-MS em competência do TCE-MS (Tribunal de Contas do Estado), uma vez que o tribunal decidiu pela legalidade da contratação da Itel.

Ação acolhida

O juiz Marcel Henrique decidiu acolher a inicial rejeitando as alegações de defesa dos réus. Ele deu prazo de 15 dias para os réus, a partir do recebimento de requerimento, se manifestem sobre as acusações do MP-MS.

Entre as investigações, além da apuração dos serviços prestados pelos terceirizados e da infringência à Lei de Licitações, Marcel ressaltou a necessidade de se apurar ?a exorbitância do preço pelos serviços contratados?.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Religioso
Morre Rabino Henry Sobel
Operação Omertà
Mais um policial envolvido com ovcrime
Polícia
Pernambuco morreu na calçada
Ponta Porã
Helicóptero cai na fronteira
Prisão na 2° instância
Acabar com a presunção de inocência por raiva?
Operação Patrom
Dono da casa china nega ter ajudado doleiro
Campo Grande
Fechar escola é imperdoável
Polícia
Os bandidos usam toga no Judiciário
Polícia
DOF meteu algema no traficante
Prisão
Prisão em 2° instância , passou no CCJ