Menu
Busca Qua, 12 de maio de 2021
(67) 9.9928-2002
Propina

R$ 50 mil por mês era a mesada de Aécio, disse Joesley em delação

20 abril 2018 - 08h22Por Redação Notícias VIP
Durante dois anos, o senador Aécio Neves (PSDB) teria recebido uma mesada de R$ 50 mil por mês de Joesley Batista, sócio do frigorífico JBS. A afirmação é do próprio empresário e consta de um anexo entregue em agosto de 2017 à Procuradoria-Geral da República (PGR), como parte de sua delação.

O relato foi obtido pela Folha de S.Paulo e publicado nesta sexta (20) pelo jornal paulista. Segundo Joesley, Aécio teria solicitado os pagamentos num encontro no Rio de Janeiro, para o custeio mensal de suas despesas.
O empresário, diz a Folha, entregou à PGR 16 notas fiscais emitidas entre 2015 e 2017 pela Rádio Arco Íris, afiliada da Jovem Pan em Belo Horizonte, relativas a serviço de publicidade, de patrocínio do Jornal da Manhã, um programa da emissora. Na soma dessas notas, a JBS pagou R$ 864 mil à rádio, que pertence à família de Aécio  em setembro de 2016, o senador vendeu sua participação a Andrea Neves, sua irmã.

Joesley Batista não soube dizer se a rádio de fato veiculou publicidade para a JBS, como informam as notas, mas reforçou que o objetivo era repassar R$ 50 mil mensais a fim de manter bom relacionamento com o senador.
Em denúncia aceita pelo Supremo Tribunal Federal (STF), a PGR afirma, com base em relações dos sócios da JBS, que o frigorífico repassou R$ 60 milhões a empresas indicadas por Aécio Neves, além de ter pago políticos para participarem da coligação do tucano, que naquele ano disputou a eleição para a Presidência da República, sendo derrotado pela petista Dilma Rousseff.

Com base na denúncia da PGR, que também menciona suposta propina de R$ 2 milhões paga por Joesley para Aécio, o senador virou réu nesta semana, suspeito de corrupção passiva e obstrução à Justiça. Ele responde ainda a outros oito inquéritos no STF.

Outro lado

O advogado de Aécio Neves, Alberto Toron, disse à Folha de S.Paulo que Joesley se aproveita de uma relação comercial lícita para forjar mais uma falsa acusação. Toron confirmou a relação entre a JBS e o senador, mas negou ter havido pedido para custeio de despesas pessoais do tucano.

Ainda segundo a Folha, Toron apontou que a falta de credibilidade e as sucessivas mentiras e omissões praticadas pelo delator levaram a PGRa pedir a rescisão dos benefícios de sua delação e contribuem para desqualificar mais uma mentira desse cidadão.

A Rádio Arco Íris disse que a relação com a JBS era estritamente comercial, comprovadamente correta, legal e legítima na prestação de serviços publicitários. E afirmou que tal relação está documentada em trocas de e-mails com setores de marketing de marcas como Vigor, Itambé e Seara, que pertencem à JBS. Também encaminhou à Folha cinco comerciais veiculados em sua programação.

vacina sim

Deixe seu Comentário

Leia Também

Tempo e temperatura
MS tem predomínio de tempo seco e calor de 36°C para a região pantaneira
Covid 19
Dezenas de corpos de possíveis vítimas da covid aparecem na Índia
Campo Grande
Moradores de bairros reclamam de sujeira e insegurança em Campos Grande
Saúde
Após ultrapassar mais de seis mil mortes, MS registra 653 novos casos da Covid-19
Mato Grosso do Sul
Novos secretários da Casa Civil e da Cidadania tomam posse nesta segunda-feira
Campo Grande
Infestação de pragas urbanas alarma moradores de Campo Grande
Vacina
Mato Grosso do Sul recebe novo lote de vacina da Pfizer nesta segunda-feira
F1
Hamilton sobre GP da Espanha de F1: “Aprendi muito sobre Max hoje”
Poluição
Marinha: três navios são suspeitos por manchas de óleo no NE em 2019
Saúde
Fiocruz: pandemia de covid-19 faz vítimas cada vez mais jovens