Menu
Busca Seg, 27 de setembro de 2021
(67) 9.9928-2002
Política

Rodrigo Maia vai pautar os pedidos de impeachment de Bolsonaro, na hora certa.

02 junho 2020 - 09h30Por Reuters e uol

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta segunda-feira que irá decidir no momento certo sobre os pedidos de impeachment apresentados contra o presidente Jair Bolsonaro, mas ressaltou que não se pode colocar mais lenha na fogueira e que está concentrado em tentar unificar o país.

 
 

Maia disse, em entrevista por videoconferência ao portal UOL, que evita comentar o assunto por se tratar de “juiz” desse processo, e adiantou que a decisão precisa ser bem avaliada para evitar um acirramento da crise.

“Acho que o tempo é o tempo da política, a gente não pode colocar mais lenha na fogueira”, disse o presidente da Câmara, ao ser questionado sobre os pedidos de impedimento do presidente apresentados à Casa.

“Uma decisão política de um impeachment precisa ser bem avaliada para que a gente não gere mais conflitos e mais desarmonia e mais crise política no Brasil”, afirmou.

Maia voltou a defender que a energia das lideranças políticas do país esteja centrada na busca por unidade e no enfrentamento dos impactos sociais, sanitários e econômicos da crise do coronavírus.

“No momento adequado eu vou decidir”, acrescentou Maia sobre os pedidos de impeachment. “Nossa prioridade deve ser ainda tentar unificar esse país para que a gente possa ter mais forças e melhores condições para enfrentar o vírus em todos os seus aspectos.”

 

Maia avaliou ainda que as recentes declarações de Bolsonaro, consideradas por ele como fora do tom e com potencial de gerar insegurança e aprofundamento da crise econômica, são coerentes com o perfil de Bolsonaro mesmo antes de ele ser eleito.

“Não dá para decidir desse jeito”, afirmou. “O perfil do presidente não mudou, nós temos que admitir isso. Ele sempre foi um político do enfrentamento”, avaliou o presidente da Câmara, ponderando que era preferível que Bolsonaro adotasse tom mais conciliatório.

PRÓXIMOS PASSOS

Maia também considerou “um avanço” que Bolsonaro tenha mudado de opinião sobre “o diálogo com os partidos políticos”, ainda que, para ele, a construção de uma base seria melhor se pautada em uma formação “orgânica” com base em projetos e programas.

O presidente da Câmara calcula que o governo não terá o controle total de uma maioria da Casa em todos os temas de seu interesse, apesar da aproximação com o chamado centrão.

Sobre os trabalhos da Câmara, Maia voltou a defender medidas que garantam a liquidez das empresas e cobrou que os recursos já aprovados para as pequenas e médias seja disponibilizado e chegue à ponta da linha.

 

Considerou necessário, ainda, que a renda emergencial concedida aos chamados vulneráveis possa ser prorrogada, e não descartou um debate sobre a instituição de um auxílio permanente. Maia ponderou, no entanto, que a discussão leve em conta a realidade fiscal do país.

Maia avaliou que um afrouxamento das regras de distanciamento e restrição de circulação de pessoas na Câmara só deve ocorrer a partir de julho ou agosto. Até lá, mesmo com a intenção de retomar as discussões sobre a reforma tributária, ou ainda de tocar o debate sobre a Lei Cambial, pronta para votar, a Casa deve seguir com as sessões remotas, afirmou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Esporte
Festa do Corinthians no pódio após a conquista do Brasileiro Feminino
Covid 19
Brasil soma 243 mortes por Covid e 8.668 novos casos em 24 horas
Total de infectados desde o início da pandemia é de 21,3 milhões, enquanto óbitos chegam a 594.443
Economia
Microempreendedores têm menos de uma semana para regularizar dívidas
Brasíl e Mundo
Austrália: pacto de Aukus não levará à proliferação nuclear
Tempo
Última semana de setembro terá pancadas de chuva com destaque para calor e tempo seco
Campo Grande
Croquete de mandioca com carne: petisco saboroso e prático
Politicos
Vai vendo Brasil!
Religiosos
Padre é preso por desviar dinheiro da igreja para orgias gays e drogas
Brasil e Mundo
Covid-19: Brasil registra 19,4 mil casos e 699 mortes em 24h
Justiça
STF decide se os estados devem pagar hospitais pela tabela SUS