Menu
Busca Sex, 23 de julho de 2021
(67) 9.9928-2002
GOVERNO BOLSONARO

UM GOVERNO DE RECUOS: EM NOVE DIAS, BOLSONARO VOLTA ATRÁS SEIS VEZES

09 janeiro 2019 - 21h26

Em nove dias, o governo de Jair Bolsonaro já retrocedeu em seis propostas apresentadas; a mais recente volta atrás está relacionada à mudança nos critérios de avaliação dos livros didáticos, que permitia conteúdo sem referência, erros de português e censurava a promoção da mulher e da diversidade racial e cultura do País; Bolsonaro também já recuou na implantação de uma base militar norte-americana no Brasil, na revisão do acordo entre Boing e Embraer e, mais recentemente, na paralisação dos processos de reforma agrária

Negar, recuar, desistir, voltar atrás, mudar de ideia. Estes parecem ser alguns dos verbos que devem acompanhar o governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) durante seu mandato, a contar pelo início da gestão. Em nove dias, Bolsonaro e sua equipe já retrocederam em seis propostas apresentadas, algumas delas até com constrangimento público.

A mais recente volta atrás foi relacionada à mudança nos critérios de avaliação dos livros didáticos. Tinham sido retirados de um edital para novos livros, publicado nesta quarta-feira (9) a exigência de que as obras tivessem referências bibliográficas e itens que impediam publicidade e erros revisão e impressão, mas a pressão fez com que a desistência viesse logo. No fim da tarde, o Ministério da Educação publicou nota suspendendo o edital.

Outro meia-volta-volver dado pelo capitão do exército foi em relação a reforma agrária. Um dia depois de ter sido veiculado que o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) determinou às suas superintendências a interrupção dos processos de desapropriação ou aquisição de terras por prazo indeterminado, o governo suspendeu a orientação. Nesta quarta, em novo memorando, o presidente do Incra mudou a posição da gestão Bolsonaro.

Recuos econômicos

O novo presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, foi outro que revisou o discurso um dia depois de ter dito que elevaria as taxas de juros no crédito imobiliário para a classe média, na segunda-feira (7). Em nova entrevista, Pedro disse que as linhas endereçadas a essa parcela da sociedade seguirão níveis praticados no restante do mercado.

O maior constrangimento aconteceu nos primeiros dias de governo. Bolsonaro, em entrevista, disse que havia assinado um decreto que aumentava o IOF, para compensar o aumento de gastos com a renovação de incentivos fiscais para as regiões Norte e Nordeste. Horas depois, foi desmentido pelo secretário da Receita, Marcos Cintra, que negou que o governo elevaria o IOF. O chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, confirmou que o presidente havia “se enganado” ao falar em aumento do IOF.

Política externa

Nas relações exteriores, Bolsonaro também já registrou suas mudanças de ideia. Além de tirar de pauta a mudança da embaixada do Brasil em Israel, de Tel-Aviv para Jerusalém, muito em conta por pressão do mundo árabe, o presidente também desistiu de abrigar uma base militar dos Estados Unidos no país.

Ele também mudou de posição em relação a revisão do acordo entre a Embraer e a Boing, anunciado nos primeiros dias de governo. Ministros desmentiram a possibilidade de interromper o acordo, de onde pode nascer uma nova empresa de aviação comercial com valor de mais de US$ 5 bilhões.

 Negar, recuar, desistir, voltar atrás, mudar de ideia. Estes parecem ser alguns dos verbos que devem acompanhar o governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) durante seu mandato, a contar pelo início da gestão. Em nove dias, Bolsonaro e sua equipe já retrocederam em seis propostas apresentadas, algumas delas até com constrangimento público.

A mais recente volta atrás foi relacionada à mudança nos critérios de avaliação dos livros didáticos. Tinham sido retirados de um edital para novos livros, publicado nesta quarta-feira (9) a exigência de que as obras tivessem referências bibliográficas e itens que impediam publicidade e erros revisão e impressão, mas a pressão fez com que a desistência viesse logo. No fim da tarde, o Ministério da Educação publicou nota suspendendo o edital.

Outro meia-volta-volver dado pelo capitão do exército foi em relação a reforma agrária. Um dia depois de ter sido veiculado que o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) determinou às suas superintendências a interrupção dos processos de desapropriação ou aquisição de terras por prazo indeterminado, o governo suspendeu a orientação. Nesta quarta, em novo memorando, o presidente do Incra mudou a posição da gestão Bolsonaro.

 

 

247

vacina sim

Deixe seu Comentário

Leia Também

Dourados
Agesul retira mais de 800 toneladas de lixo das margens da MS-156 em Dourados
Interior
SubsRacial leva Campanha Julho das Pretas a Rochedo, com temas de saúde e educação
Mato Grosso do Sul
Temperaturas voltam a subir e ar seco segue predominando nesta quarta-feira
Mato Grosso do Sul
Governo investe R$ 5,8 milhões na pavimentação da MS-455, criando novo acesso a Capão Seco
Interior
Corpo de Bombeiros monitora incêndios com imagens de satélite e amplia fiscalização em áreas de focos
Campo Grande
Até quando a massa de ar frio polar vai atuar em Mato Grosso do Sul?
Esportes
Hoje é Dia: nota 10 de Comaneci e Dia do Futebol marcam semana
Saúde
Covid-19: Brasil soma 541,2 mil mortes e vai a 19,3 milhões de casos
Violência
Em vídeo exclusivo, DJ Ivis pede perdão a Pamella e a todas mulheres
Tempo
Ela vem: frente fria vai derrubar temperaturas para menos de 3ºC e causar geada em MS, diz previsão