Menu
Busca Dom, 26 de setembro de 2021
(67) 9.9928-2002
Brasil

Anvisa nega existência de pedido de registro para vacina russa contra Covid-19

31 outubro 2020 - 12h11Por Plantão jornalístico NV

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) disse em comunicado nesta sexta-feira que ainda não existe um pedido junto ao órgão para a realização de estudos clínicos com a vacina russa Sputnik V contra Covid-19 no Brasil e nem uma solicitação de registro, após o Fundo de Investimentos Diretos da Rússia (RDIF) anunciar que entregou documentos preliminares visando o registro do potencial imunizante no país.

Em nota, após o anúncio feito pelo fundo russo da entrega da documentação pelo RDIF, pelo governo do Paraná e pela empresa União Química Farmacêutica Nacional, a Anvisa disse que recebeu um e-mail da União Química e que a mensagem não era um pedido para a realização dos testes com a potencial vacina ou de registro da mesma.

“A Anvisa recebeu nesta quinta-feira um e-mail do laboratório União Química comunicando sobre a apresentação apenas de documentos prévios. Os documentos foram enviados com um pedido para que a Anvisa faça uma análise prévia, antes da apresentação formal do pedido de pesquisa”, afirmou o órgão regulador em nota.

“As informações enviadas não são um pedido formal de autorização para a pesquisa e não são suficientes para a autorização da Anvisa. Na prática, a pesquisa não está autorizada e esse pedido ainda não foi feito pelo laboratório.”

O órgão regulador esclareceu também que o pedido de registro de uma vacina só poder ser feito após os estudos clínicos.

Mais cedo, o RDIF afirmou em nota que foi feita a “pré-submissão” de “documentos preliminares” para o registro da Sputnik V junto à Anvisa.

De acordo com comunicado do fundo russo, os documentos foram entregues à Anvisa na quinta-feira.

A Sputnik V é a primeira vacina contra Covid-19 a obter autorização regulatória no mundo, depois de o governo da Rússia lhe conceder registro em agosto, medida que gerou dúvidas em especialistas, já que o potencial imunizante ainda não teve seus testes em estágio avançado em humanos concluídos.

“O RDIF e a União Química, com o apoio do governo do Paraná, cooperam de forma proativa com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária do Brasil, que tem desempenhado um papel fundamental e sensível para registrar, o quanto antes, a vacina Sputnik V no país”, disse, segundo comunicado o presidente-executivo do RDIF, Kirill Dmitriev.

Ainda de acordo com o comunicado, será lançado “em breve” a produção em solo brasileiro das primeiras doses da Sputnik V, como parte do acordo de transferência de tecnologia entre o fundo russo e a União Química. 

“O registro permitirá passar à produção, bem como à distribuição da vacina no território brasileiro em breve.”

O Estado da Bahia também assinou um acordo para realizar ensaios clínicos em Fase 3, a última antes do pedido de registro, da Sputnik V e planeja comprar 50 milhões de doses do imunizantes para ser comercializado no Nordeste.

A União Química, uma farmacêutica privada com nove fábricas no Brasil e uma nos Estados Unidos, planeja produzir a vacina em sua unidade em Brasília.

Procurada pela Reuters, a companhia se recusou a comentar sobre seus planos. Mas seu presidente-executivo, Fernando de Castro Marques, disse a veículos de imprensa que espera vender a Sputnik V no Brasil e em toda a América Latina por 3 dólares a dose.

Ele disse ao portal de notícias Metrópole, de Brasília, que a empresa espera que a produção possa começar no primeiro trimestre de 2021.

“Se a Anvisa exigir que se faça novamente a Fase 3 da vacina aqui, faremos. Já temos isso alinhado, inclusive, com os Estados”, disse ele em entrevista ao portal.

PROCESSO CONTÍNUO

A Anvisa estabeleceu uma metodologia diferenciada de análise de registros de vacina contra a Covid-19, no qual os documento são submetidos e revisados pelo órgão regulador de forma contínua, assim que se tornam disponíveis.

Normalmente, toda a documentação é entregue de uma vez só, ao término de estudos que visam comprovar a segurança e a eficácia do imunizante. O objetivo é acelerar a análise dos pedidos de registro em meio à pandemia.

A Anvisa já recebeu documentos das candidatas a vacina da farmacêutica britânica AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, no Reino Unido, e do potencial imunizante da chinesa Sinovac, que está sendo testada e será produzida no Brasil pelo Instituto Butantan, do governo do Estado de São Paulo.

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Campo Grande
Croquete de mandioca com carne: petisco saboroso e prático
Politicos
Vai vendo Brasil!
Religiosos
Padre é preso por desviar dinheiro da igreja para orgias gays e drogas
Brasil e Mundo
Covid-19: Brasil registra 19,4 mil casos e 699 mortes em 24h
Justiça
STF decide se os estados devem pagar hospitais pela tabela SUS
Geral
Anatel aprova leilão da exploração do acesso móvel na tecnologia 5G
Inclusão
Índice reúne dados sobre a inclusão de brasileiros com deficiência
Campo Grande
Preso em ação contra corrupção em MS era o 'braço direito' do ex-prefeito e 'quem assinava os cheques', diz polícia
Operação Policial
Polícia Federal faz operação para combater fraude no INSS do Amazonas
Campo Grande
Ameaça de delação de Gilmar Olarte causa 'espanto', afirma procurador-chefe do MP