Menu
Busca Sb, 14 de dezembro de 2019
(67) 9.9928-2002
Saúde

Surto de sarampo reforça importância de vacinação

A vacina tríplice viral deve ser recebida quando a criança completa um ano

13 agosto 2019 - 16h00

O aumento do número crescente dos casos de sarampo no Brasil preocupa o Ministério da Saúde, mas parece não convencer os críticos da vacinação. Para especialistas, a desinformação e os boatos tornam o quadro grave. Além da expansão do surto da doença, a redução no número de crianças imunizadas com a vacina tríplice viral, que previne sarampo, caxumba e rubéola, é preocupante e levanta a necessidade de uma campanha de conscientização, na opinião do pediatra Paulo Cesar Guimarães.

“É necessário salientar que a importância de crianças e adultos receberem as doses da tríplice viral é imensa. Basta conferir o histórico de casos no país para identificar que o sarampo e as outras doenças são patologias que já foram extremamente frequentes no passado. Não dá para retrocedermos, deixar em risco o próximo por falta de vacinação”, diz o médico, que é membro do Comitê de Infectologia da Sociedade de Pediatria do Estado do Rio de Janeiro. 

No Calendário Nacional de Vacinação, a tríplice viral deve ser recebida quando a criança completa um ano. Hoje, as pessoas de 5 a 29 anos que não tomaram a vacina precisam de duas doses da tríplice, com um intervalo de 30 dias, para garantir a imunização. 

“Sarampo pode matar. Não é uma doença de pele como muitas pessoas acreditam. Pode levar a uma encefalite, que é infecção e inflamação no encéfalo, e também provocar um processo pneumônico grave, além de problemas sistêmicos preocupantes”, conta Paulo Cesar Guimarães, que é professor e diretor da Faculdade de Medicina de Petrópolis. “Os adultos que não foram vacinados precisam receber a vacina. As mulheres que não receberam a vacinação podem gerar problemas sérios nos fetos, com doenças congênitas como microcefalia, catarata, retardo mental e meningite.” 

O infectologista orienta os pais a levarem sempre as crianças nas campanhas de vacinação, mesmo que ela esteja totalmente vacinada, pois pode ser que precise de um reforço: “Às vezes, a pessoa pensa que o filho está vacinado contra tudo, mas levando na campanha, que é grátis, os profissionais vão rever o calendário de vacinação para certificar de que está tudo realmente completo.” Para ele, é importante que exista uma participação objetiva dos pais nas campanhas, para evitar problemas como o enfrentado agora com a volta do sarampo. 

“As vacinas foram lançadas após muitas pesquisas e estão evitando muitos casos de óbitos, no Brasil e em vários países do mundo. As contraindicações são mínimas. As falsas notícias contra a vacinação só atrapalham a população e aumentam os problemas de saúde no país, que não são poucos”, ressalta Paulo Cesar Guimarães.

 

Com informações, Saúde/Notícias ao Minuto.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Campo Grande
Vereadores aprovam orçamento de mais de 4,3 bilhões para Campo Grande.
Meio Ambiente
Trad comete improbidade, uma atrás da outra, mas é blindado
Corrupção no Judiciário
Juíza presa contrata advogado especialista em delação
Corguinho
Festa de Som Automotivo terminou na Delegacia de Polícia Civil
Três Lagoas
Chuva e granizo faz estrago em Três Lagoas
Brasil
Sonia Guajajara: Bolsonaro é um perigo para o planeta
Crime
Avô de 85 anos foi preso por estuprar netos de 4 e 6 anos
Ponta Porã
Execução sumária na fronteira.
Brasília
Ministro da Justiça não obteve sucesso na abordagem: ex-juíza teve mandato de senadora cassado
Campo Grande
Surgem as Tradicionais favelas na capital